Morre o cantor e compositor Klinger Araújo

O cantor, locutor e compositor parintinense Klinger Araújo, o “Furacão do Boi” que lutava contra a Covid-19, acaba de morrer, em Manaus. O cantor estava com 75% dos pulmões comprometidos e estava internado na UTI da Samel.   ” O Amazonas está de luto’”,  lamentou  o prefeito de Manaus, Arthur Neto

O toadeiro começou a sentir os primeiros sintomas dia 2 de setembro e dois dias depois fez exame sorológico que deu negativo, mas os sintomas se agravaram. De acordo com Klinger Júnior, filho do cantor, seu pai foi internado na Samel dia 9 onde através do exame PCR foi detectado que Klinger estava com Covid-19. No sábado (12) ele chegou a ter alta médica, porém se sentiu mal um dia depois e resolveu voltar para Samel onde fez exames e foi transferido para o Prontocord.

Klinger Araújo saiu de Parintins para morar na capital amazonense aos 19 anos e foi o primeiro artista a difundir as toadas dos bois Caprichoso e Garantido nas rádios de Manaus na década de 90. Nesse ano, o cantor foi homenageado no Carnailha pelo bloco da chave especial Fax Club.

                                                                                          NOTA DE PESAR

 O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, e a primeira-dama e presidente do Fundo Manaus Solidária, Elisabeth Valeiko Ribeiro, manifestaram profundo pesar pela morte do artista parintinense e um dos ícones do folclore amazônico, o boi-bumbá, Klinger Araújo, vítima de complicações provocadas pela Covid-19, causada pelo novo coronavírus.

“Aos 51 anos, Klinger ou o ‘Furacão do Boi’, como era conhecido, deixa a cidade de Manaus e todo o Amazonas de luto e com o coração entristecido. É mais uma vítima dessa doença nefasta e sai de cena, prematuramente, deixando o sentimento de que ele ainda tinha muito a contribuir com nossas manifestações culturais”, disse o prefeito.

Klinger viveu em Manaus desde os 13 anos e foi um dos responsáveis pelo crescimento do movimento boi-bumbá na capital do Amazonas, nos anos 1980 e 1990. Tinha múltiplos talentos: além de músico, compositor e levantador de toadas, fez sua vida profissional como radialista, atuando nas rádios Alvorada (Parintins) e Difusora (Manaus), além de ter se revelado um excelente comediante e imitador.

“Ele tinha uma veia inegável de artista e de comunicador e se entregou de corpo e alma ao boi-bumbá, sendo um dos primeiros locutores de rádio a divulgar as toadas que recebia de seus amigos compositores”, resgatou a primeira-dama. “Deixará saudades e muitas histórias para essa e as futuras gerações”, destacou Elisabeth Valeiko.

Klinger Araújo deixa uma família de artistas, a esposa Vanessa Alfaia, o filho Klinger Júnior e a filha Iandiara, de apenas 8 anos.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *