‘Mulher-bomba’ entregou esquema da Susam à PGR

Uma pessoa de “confiança do governador ma Susam entregou à PGR todo o esquema de corrupção desde a compra superfaturada dos respiradores até o contrato de aluguel do Hospital da Nilton Lins. O  vice-governador Carlos Almeida caminha para a renúncia

Abandonado pelos deputados estaduais que faziam parte do esquema do “mensalinho”, pressionado pela Operação Sangria e caminhando para o impeachment e a prisão, o governador do Amazonas, Wilson Lima, está desesperado. Membros da ex-base aliada acreditam que o vice-governador do Estado, Carlos Almeida, renunciará no início desta semana, tentando se livrar das investigações da Polícia Federal. Todos estão “pulando do barco”..

A informação da renúncia do vice-governador foi confirmada por um deputado que está no centro das investigações e que teme ser preso. Carlos Almeida era visto como arrogante e autoritário pelos médicos quando comandava a Secretaria de Saúde.

A líder (sic….) na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), Joana Darc, antes uma defensora ferrenha de Wilson Lima e citada na lista apreendida pela Polícia Federal como uma das beneficiárias do “mensalinho”, apagou todas as fotos que postava com o governador e deve renunciar à liderança do Governo.

Nesta semana, 18 deputados que apoiavam o governador, tentando manter os mandados vão aderir à CPI da Saúde e tentar o rápido afastamento de Wilson Lima. O ex-apresentador de TV e dançarino de forró que enganou milhares de amazonenses, está encurralado. Os deputados, por sua vez, querem salvar a “própria pele”.

O esquema

O esquema grotesco montado pela Organização Criminosa (Orcrim) para desviar recursos federais e estaduais começou a ruir com o surgimento da “mulher-bomba”. Ocupando uma das secretárias da Susam, , Dayana Mejia prestou depoimento à Procuradoria-Geral da República e compartilhou com os investigadores uma série de mensagens de WhatsApp que foram decisivas para a deflagração da operação contra Lima na semana passada.

O material revela a ação desesperada da equipe de Wilson Lima para tentar forjar documentos e acobertar fraudes de quase 3  milhões de reais na compra de respiradores para hospitais do estado. A PGR diz que Lima é chefe da “organização criminosa” no governo.

Confira trecho da decisão do STJ que autorizou a operação contra o governador do Amazonas destaca o papel de Dayana Mejia:

Na sexta-feIra (3), surgiu a informação que dois empresários do segmento das comunicações beneficiados do dinheiro da corrupção da Saúde e da Educação, além de, 10 deputados estaduais que recebiam “mensalinho” para ficarem calados , devem ser presos no desdobramento da Operação Sangria. Os presos na terça-feira durante a 1ª fase, tentando o benefício da delação. começaram a “abrir o bico” sobre o esquema que pode ter causado centenas de mortes durante a pandemia do novo coronavírus.

 Delação

Reportagem da TV Amazonas veiculada na última sexta-feira, mostra que a empresária Renata Mansour, sócia da empresa Sonoar, responsável por vender respiradores pulmonares a uma empresa de vinhos, horas depois revendidos ao governo do Estado, deve fazer delação premiada para revelar tudo que sabe sobre eventuais irregularidades na venda dos equipamentos.

Renata disse, ainda, que foi coagida a “ficar quieta” porque, segundo ela, o médico Luiz Avelino, marido da secretária de Comunicação do Estado, Daniela Assayag, não poderia aparecer como sócio da empresa.

“Em um contrato de cessão de cotas de sociedade, mostra Renata vendendo a parte dela da Sonoar a Luiz Avelino, por R$ 250 mil. O documento foi assinado em 12 de dezembro do ano passado”, consta na reportagem.

Segundo acordo de posição contratual, assinado por Renata, Luiz Avelino e Luciane, o médico cede a sua posição na empresa para Luciane, que fica com 100% da Sonoar. O documento foi assinado no dia 5 de junho.

A emissora afirma que teve acesso ao depoimento que a empresária, presa no último dia 30 na Operação Sangria, da Polícia Federal (PF), prestou aos agentes federais, no processo que tramita em segredo de Justiça.

Daniela Assayag foi a “estrela” do jornalismo da TV Amazonas até se transferir para a TV A Crítica, onde conheceu o governador Wilson Lima.

Libertados

Por decisão judicial, dos oito presos na Operação Sangria, na tarde de sábado (04), foram liberados o empresário Fábio José Antunes Passos, João Paulo Marques dos Santos, Alcineide Figueiredo Pinheiro e Luciane Zuffo Vargas de Andrade.

Outras três pessoas foram colocadas em liberdade com o fim do prazo da prisão temporária à meia-noite de sábado: Perseverando da Trindade Garcia Filho, Cristiano da Silva Cordeiro e a secretária de Saúde, Simone Araujo de Oliveira Papaiz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *