França afasta médico e interna professor

Um médico “anti-máscara” de Lyon, terceira maior cidade da França, foi proibido de exercer a medicina por cinco meses por “razões de saúde pública” e um segundo médico foi internado em uma unidade psiquiátrica.

O organismo de saúde l’Agence régionale de santé (ARS) Auvergne-Rhône-Alpes decidiu que a suspensão temporária de cinco meses do pneumologista Dr. Patrick Bellier era “para o bem da saúde pública”.

Dr. Bellier se recusou a usar máscara durante o trabalho e também se recusou a examinar pacientes que usavam o aparato.

A ARS disse que a decisão era “uma medida cautelar” enquanto se aguarda uma decisão do painel disciplinar do conselho de médicos l’Ordre des médecins – que a ARS trouxe para o caso -, bem como uma decisão do conselho médico departamental le Conseil départemental de l’Ordre des médecins (CDOM) du Rhône.

Indignado, o pneumologista declarou:

“Estou proibido de praticar por cinco meses porque me recuso a usar máscara. Bem-vindo à ditadura Macron!”

Segundo caso

Jean-Bernard Fourtillan, professor universitário de farmacologia e toxicologia, foi internado em um hospital psiquiátrico pelo “crime” de contradizer a narrativa oficial sobre a pandemia.

Dezenas de pessoas se reuniram em frente ao hospital psiquiátrico Mas Careiron, em Uzès, para demonstrar apoio ao docente.

Fourtillan, que questionou a eficácia das vacinas contra o vírus chinês, foi removido à força de sua casa no sul da França e colocado em confinamento.

Seus telefones celulares foram confiscados, impedindo-o de se comunicar com o mundo exterior.

Recentemente, Fourtillan entrevistado pelo documentário de TV Hold Up , ressaltou algumas teorias da conspiração em torno da pandemia Covid-19.

Entre suas alegações – que foram criticadas – inclui a sugestão de que a unidade de pesquisa médica Instituto Pasteur criou o vírus SARS-CoV-2.

O promotor de Nimes disse que essas alegações não estão diretamente ligadas à internação do professor no hospital.

Apoiadores do professor afirmam que a detenção é uma prova de que os franceses estão sob a tutela de “um governo corrupto” e que Paris está “controlada por laboratórios”. (DB/RN)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *