Alienígenas podem estar nos observando

Desde a década de 1990, os astrônomos catalogaram mais de três mil exoplanetas usando uma técnica de detecção bastante básica conhecida como método de trânsito. Mas e se os alienígenas estiverem usando a mesma técnica para nos espionar? Uma equipe de astrônomos está explorando agora esta possibilidade muito emocionante – se não totalmente assustadora.

=

O título do novo artigo, publicado na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, resume bem o propósito do estudo: “Quais estrelas podem ver a Terra como um exoplaneta em trânsito?” (Em tradução livre). Na verdade, os astrônomos na Terra usam o método de trânsito para localizar exoplanetas, então é lógico que astrônomos alienígenas possam estar usando a mesma técnica para nos localizar.

O método de trânsito não permite que os astrônomos vejam um exoplaneta diretamente. Em vez disso, eles estão vendo o escurecimento temporário de uma estrela distante que é sinal de que pode haver um exoplaneta passando na frente dela de nosso ponto de vista. Essas quedas repentinas na luminosidade são muito leves, mas detectáveis. Esses eventos de escurecimento também podem produzir outros dados importantes, permitindo aos astrônomos determinar a duração do ano de um exoplaneta, sua temperatura e suas propriedades químicas, as últimas das quais podem ser usadas para discernir planetas rochosos (como a Terra) de gigantes gasosos. Existem outras técnicas de detecção, como o método Doppler, mas o método de trânsito continua a ser o mais confiável e direto.

O número de estrelas que podemos observar através de nossos telescópios parece quase infinito, mas o método de trânsito significa que estamos presos em um efeito de seleção observacional enorme. Com a técnica de trânsito, só podemos localizar exoplanetas que passam na frente de suas estrelas hospedeiras em nossa linha de visão. Se um planeta estivesse localizado um pouco fora de ângulo não saberíamos que ele existe. Ainda assim, os trânsitos de nossa perspectiva acontecem com mais frequência do que você imagina, pois os astrônomos encontraram milhares de exoplanetas dessa maneira.

No estudo recente a astrônoma de Cornell Lisa Kaltenegger, junto com o astrônomo de Lehigh Joshua Pepper, “invertem o ponto de vista e perguntam de quais sistemas outros observadores poderiam ver a Terra como um planeta em trânsito”, conforme relatam em seu novo artigo. Usando dados coletados pelo Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA, os cientistas encontraram 1.004 estrelas relativamente próximas que se encaixam nesta categoria.

Por “esta categoria”, os autores se referem a estrelas na Zona de Trânsito da Terra (ZTT), a “região de onde a Terra poderia ser vista transitando pelo Sol, que é uma faixa fina ao redor da eclíptica projetada no céu com uma largura de 0,528 °”, afirmam os autores do estudo.

Para os pesquisadores, era importante excluir estrelas a mais de 320 anos-luz de distância. A esta distância (relativamente) próxima, os astrônomos alienígenas ainda podiam detectar o fraco escurecimento do nosso Sol causado pelo nosso minúsculo planeta passando na frente.

Esses astrônomos alienígenas também podem detectar uma ou duas coisas sobre nosso pálido ponto azul, como a Terra sendo um planeta rochoso, nosso ano de 365 dias e nossa localização dentro da zona habitável do Sol. Seríamos uma observação empolgante, especialmente se sua tecnologia pudesse encontrar bioassinaturas em nossa atmosfera ou, infelizmente, concentrações anormalmente altas de dióxido de carbono – um possível sinal de uma civilização em estágio industrial. Isso não é tão estranho quanto você pode pensar; o futuro Telescópio Espacial James Webb será capaz de coletar exatamente esse tipo de dados.

Das 1.004 estrelas da sequência principal listadas, decepcionantes 77% são anãs vermelhas, que não são boas candidatas para hospedar vida. Apenas 6% das estrelas são do tipo G, que é a categoria em que nosso Sol se enquadra. Esta é uma limitação importante a ser apontada, já que estrelas do tipo G continuam sendo o único tipo de estrela conhecido por abrigar vida.

Também é importante notar que, dessas 1.004 estrelas, apenas três são conhecidas por terem exoplanetas. Há uma boa chance de que todas essas estrelas tenham uma coleção de exoplanetas, então a questão mais pertinente a se fazer seria qual desses sistemas estelares têm exoplanetas estacionados em zonas habitáveis. Aqueles que se aplicam iriam instantaneamente subir para o topo da lista em termos de alvos prioritários para astrobiólogos.

“Se encontrássemos um planeta com uma biosfera vibrante, ficaríamos curiosos para saber se alguém está ou não olhando para nós também”, como Kaltenegger apontou no Cornell Chronicle. “Se estamos procurando por vida inteligente no universo, ela pode nos encontrar e pode querer entrar em contato, acabamos de criar o mapa estelar de onde devemos olhar primeiro.”

Kaltenegger está muito certo em apontar isso como uma possibilidade, embora as chances sejam astronomicamente altas de que isso realmente seja o caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *