Senador mostra, em vídeo, filho de Renan, Doria, Dino, Helder, Wellington Dias defendendo a cloroquina

O senador Marcos Rogério (RO), que faz parte da bancada governista minoritária na CPI da Pandemia, provocou uma autêntica “saia justa” na maioria oposicionista, na manhã desta quinta (20), ao exibir vídeos de governadores de oposição defendendo o uso de cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento de Covid-19.

Marcos Rogério mostrou vídeos e áudios do governador de Alagoas, Renan Filho, primogênito do relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), e também do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), além do secretário de Saúde do governador da Bahia, Rui Costa (PT).

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), tentou defender os governadores, afirmando que suas declarações ocorreram no ano passado, e que “a ciência evoluiu rapidamente”. Engenheiro Civil, graduado pela Universidade Federal do Amazonas, Omar Aziz não pode alegar desconhecimento que a cloroquina é usada no Amazonas, principalmente por moradores do interior do Amazonas, que ele governou entre 2011 e 2014. Ele também não pode desconhecer que a cloroquina foi reposicionada para combater a Covid-19, assim com a espironolactona foi reposicionada para ser utilizada como anticoagulante e tem salvado vidas em Manaus, evitando tromboses em contaminados pelo novo coronavírus.

Aziz disse que os fatos são de março de 2020, mas o anúncio de Renan Filho ocorreu em 14 de abril. Marcos Rogério, por sua vez, lembrou que também a defesa do uso do medicamento pelo presidente Jair Bolsonaro ocorreram no mesmo período.

Hipocrisia de Doria

Nesse vídeo aparecem também defendendo o uso da cloroquina os governadores do Piauí, Wellinton Dias (PT), e de São Paulo, João Dória (PSDB), como demonstração do que ele chama de “hipocrisia política”.

Nesse vídeo, datado de 6 de abril do ano passado, Doria aparece em uma coletiva tentando atribuir a seu governo a paternidade do uso da cloroquina, na mesma época defendida por Bolsonaro.

Nesse vídeo, Doria se jactava do fato de que teria sido o médico infectologista David Uip, da sua equipe, quem “recomendou” o uso do medicamento ao então ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

Na sequência, aparece o próprio Uip confirmando que havia participado de reunião de Mandetta com especialistas, durante a qual todos recomendaram ao então ministro da Saúde que fossem distribuídas cloroquina e hidroxicloroquina para todos os hospitais públicos e privados.

Veja o vídeo divulgado pelo senador Marcos Rogério:

*Com informações do Diário do Poder / Roteiro de Notícias

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *