‘Não vou deixar o Lula ganhar essa’, diz Ciro Gomes

O “coroné” do Ceará, Ciro Gomes, está perdido entre o tiroteio entre a direita e a esquerda. Agora, desnorteado com o resgate dos direitos políticos do ex-presidente Lula da Silva (PT), seu ex-amigo, não alterou a pretensão do “coroné” de disputar novamente a Presidência em 2022. Aliás, Ciro Gomes anda cantando o samba enredo composto por Paulinho Mocidade….

Sonhar não custa nada

Mergulhei nessa magia

Era tudo que eu queria

Para esse carnaval

Deixe a sua mente vagar

Não custa nada sonhar

Viajar nos braços do infinito

Onde tudo é mais bonito

Nesse mundo de ilusão

Transformar o sonho em realidade

E sonhar com a mocidade

E sonhar com o pé no chão

Ciro Gomes está se oferecendo como opção de centro capaz de romper com a esperada polarização entre o bolsonarismo e o “lulopetismo”. “Eu não vou deixar o Lula ganhar essa na lambança.”

Terceiro colocado na eleição de 2018, Ciro afirma que trabalha para construir um projeto de país que pode ter uma empresária como vice – Luiza Trajano, a dona da Magazine Luza, é classificada por ele como uma “pessoa extraordinária” – e o marqueteiro João Santana, que atuou nas campanhas de Lula e Dilma Rousseff.

Em entrevista ao Estadão, ele voltou a defender o impeachment de Jair Bolsonaro. Para ele, diante do contexto atual, não é certo que o presidente “será um dos polos do segundo turno” na eleição do próximo ano. Na semana passada, o sonhador Ciro Gomes, do alto de suas ideias confusas, disse que é preciso imputar ao presidente Bolsonaro toda a culpa pelas mortes na pandemia para impedir que ele fique 8 anos no poder.

“Para construir o futuro, o lulopetismo é parte central do problema. Lula é candidato desde 1989. Ele não tem nenhuma responsabilidade por ter posto a Dilma? Bolsonaro derrubou a economia em 4,1% e está se desculpando porque está em uma pandemia. Alguma razão ele tem. A Dilma derrubou 3,2% sem pandemia! O Palocci era o braço direito desse modelo, devolveu R$ 100 milhões. Tudo bem, o Chico Buarque adora o Lula? Respeito os afetos do Chico Buarque, mas e o Palocci?”

Ciro, o que Chico Buarque tem a ver com a polarização de Bolsonaro e Lula? Você colocou o compositor no lugar errado, na hora errada. Chico Buarque não conta mais no processo político.

Só o Lula faz mais lambança que o senhor, “coroné”. Ambos tem uma coisa em comum: mentes destruídas por fatores “externos”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *