Maju Coutinho debocha dos trabalhadores desempregados

A apresentadora do ‘Jornal Hoje’, Maju Coutinho, ao comentar sobre o aumento de casos de Covid-19 no Brasil, ironizou os desempregados, autônomos e comerciantes que faliram e pedem o fim do lockdown. Sem demonstrar qualquer sentimento de solidariedade, Maju mandou um recado cruel a quem luta diariamente para levar o sustento para a família; “O choro é livre”, disse ela.

“Por todo o país, os números da pandemia não param de subir e as medidas restritivas de circulação estão se espalhando. Os especialistas são unânimes em dizer que essas são medidas indispensáveis para conter a circulação do vírus. O choro é livre. Não dá para a gente reclamar. É isso que tem”, disparou.

A jornalista Maju Coutinho, recebe a bagatela de R$60 mil mensais para trabalhar na Rede Globo.

Após explicar o cenário que o país se encontra, Maju abordou a transição dos ministros da saúde e afirmou que em Minas Gerais o governo anunciou que todos os municípios entrarão na fase roxa, que é mais restritiva.

Conhecida como uma das apresentadoras mais antipáticas da TV Globo, Maju Coutinho tem demonstrado desprezo pelos trabalhadores toda vez que se refere ao lockdown.

Assista o vídeo:

 

Arregou

Após ser bombardeada nas redes sociais, a apresentadora  alegou que também se preocupa com a situação dos pequenos e médios comerciantes. De acordo com ela, a expressão “o choro é livre”, dita por ela, foi “infeliz” e precisava de um complemento para que ficasse claro o que ela queria dizer.

“Eu quis dizer que, por mais amargas que sejam as medidas de isolamento, elas são necessárias para evitar o colapso do sistema de saúde, mas eu entendo perfeitamente a dor dos pequenos, médios empresários, que são obrigados a manter os negócios fechados”, afirmou.

Eu falei o seguinte: ‘O choro é livre’, eu quis dizer que, por mais amargas que sejam as medidas de isolamento, elas são necessárias para evitar o colapso do sistema de saúde, mas eu entendo perfeitamente a dor dos pequenos, médios empresários, que são obrigados a manter os negócios fechados. E você é testemunha de que, ontem (quarta-feira, 17) mesmo, a gente exibiu uma longa reportagem sobre o assunto e, ao final dela, eu disse assim: ‘Desejo também agilidade do governo e do Congresso pra atender os empresários e também as famílias que estão aguardando o auxílio emergencial’.

Então, eu reitero hoje (quinta-feira, 18) aqui esse desejo, me desculpo pela expressão que usei anteontem, e vamos nessa, bola pra frente.” Além de tentar lacrar, a apresentadora acredita que o trabalhador não tem capacidade para entender quando está sendo discriminado por uma esquerdista de baixo nível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *