‘Oposição sistemática a Bolsonaro não é o caminho’, diz governador RS

Apontado por integrantes do PSDB como uma alternativa a João Doria dentro do partido, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, evita se lançar como pré-candidato à Presidência em 2022 e afirma que o partido não deve fazer “oposição sistemática” ao governo federal.

Doria e Leite têm garantido apoio de alas diferentes da legenda. “O governador João Doria é um ator político importante que deve ser considerado nos debates para o futuro do país, mas precisa estar aberto para discutir com humildade com as demais partes da federação”, falou o governador gaúcho em entrevista publicada neste sábado (13.fev.2021) ao jornal O Estado de S. Paulo.

Leite declarou que, “no que diz respeito aos arroubos antidemocráticos do presidente, sem dúvida o PSDB deve exercer uma firme posição em defesa da democracia”.

Ele, no entanto, afirmou considerar que o governo federal tem projetos que se aproximam do que o PSDB defende na área econômica.

Não adianta fazer oposição sistemática, aquela que dificulta soluções para o país simplesmente porque temos ressalvas ao presidente. A gente não pode exercer oposição simplesmente para dificultar, do ponto de vista eleitoral, a vida do presidente”, disse.

PSDB 2022

Doria divulgou nota na 3ª feira (9.fev) cobrando a expulsão do deputado Aécio Neves (PSDB-MG) dos quadros da legenda. A exposição pública do racha no partido motivou reação de aliados do mineiro.

A indisposição de alas do PSDB com o movimento de Doria reduziu as chances de o paulista ser pré-candidato à Presidência em 2022 pela legenda e abriu caminho para o fortalecimento de Eduardo Leite.

Em entrevista à Folha de S.Paulo publicada na noite dessa 6ª feira (12.fev), Leite evitou lançar seu próprio nome na disputa.

Por mais que insistam em falar em pré-candidatura, se trata de discutir um projeto para o país. Nesse sentido, estou preparado”, afirmou. “Mas candidaturas vão ser definidas no momento apropriado”.

Ele falou sobre como enxerga uma espécie de prévias entre ele e Doria.

Eu não acho que prévias sejam um problema. Elas podem significar bons debates para a construção não só de uma candidatura, mas de uma visão de programa partidário. Nos EUA, há essa tradição. Há um sentimento de que o país precisa ter alternativas em contraponto ao que a gente observa do presidente da República”, falou.

Segundo Leite, “a capacidade eleitoral não é determinada apenas pela capacidade individual, carismática, ela é também determinada pelas circunstâncias”.

Ele lembra que ainda falta mais de um ano para a eleição e o PSDB deve ouvir o eleitor para determinar que rumo tomar.

O governador Doria já disse em algum momento que tem disposição para dialogar sobre os melhores caminhos —que não sejam exclusivamente uma candidatura sua. Se essa é a posição dele, é também a minha. Eu não faço a política para atender a uma aspiração pessoal”, falou o governador gaúcho.

Sobre Aécio Neves, Leite lembrou que ele também já manifestou que o deputado deveria ter sido expulso do PSDB. “Temos que respeitar a democracia interna do partido”, falou.

Leite nega que tenha sido apadrinhado por Aécio.

Eu não tenho qualquer contato com o deputado Aécio Neves. Pelo menos 12 parlamentares estiveram no Rio Grande do Sul conversando comigo. Resumir essa conversa a um posicionamento do Aécio seria diminuir a liderança de um senador e de mais uma dezena de deputados de diversos Estados.(PODER 360/RN)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *