Bolsonaro reúne FFAA após Lula incentivar guerrilha

A disputa pelo poder no Brasil ganha contornos violentos.  Após Lula dizer para seus militantes ‘partirem para o ataque’, o presidente Jair Bolsonaro reuniu a alta cúpula das Forças Armadas para analisar o cenário político.

Usando gesto de saudação nazista, o petista passou a incitar atos de violência contra as instituições, mas pode ser  enquadrado na Lei da Segurança Nacional. Lula usa sua massa de manobra para incentivar ataques semelhantes aos utilizados à guerrilha urbana.

Reunião

A reunião contou com a presença dos ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira (Secretaria de Governo), o chefe do GSI, Augusto Heleno, além dos comandantes Ilques Barbosa Junior (Marinha), Edson Leal Pujol (Exército) e Antonio Carlos Moretti Bermudez (Aeronáutica).

Lula fez uma referência aos protestos no Chile:

“A gente tem que atacar, não apenas se defender.”

O ex-presidente mostra que está completamente desequilibrado e ávido para derramar sangue de brasileiros.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *