Profissionais de Saúde do EUA rejeitam a vacina

O que os profissionais de saúde dos Estados Unidos sabem sobre a vacina para recusa-la? Eles são os primeiros na fila para receber a vacina contra a COVID-19 – mas um número alarmante em todo o país se negam a recebe-la.

No início da semana, o governador de Ohio, Mike DeWine, revelou que cerca de 60 por cento das trabalhadoras de lares de idosos em seu estado optaram por não se vacinar.

Mais da metade dos trabalhadores do Sistema de Emergências da cidade de Nova York mostraram ceticismo, relatou o New York Post.

Durante a semana, a Califórnia e o Texas também estão enfrentando um alto índice de recusas de profissionais de saúde, de acordo com relatórios.

Estima-se que 50 por cento dos trabalhadores da linha de frente em Riverside County, no Golden State, optaram pela rejeição à droga, relatou o Los Angeles Times , citando autoridades de saúde pública.

Mais da metade dos funcionários do Hospital St. Elizabeth Community da Califórnia, que eram elegíveis para receber a vacina, não o fizeram.

No Texas, um médico do Houston Memorial Medical Center declarou que metade das enfermeiras da instalação não tomaria a vacina, citando razões políticas.

A desculpa compartilhada pelas enfermeiras do Texas ecoou em uma pesquisa recente da Kaiser Family Foundation, que descobriu que 29% dos profissionais de saúde estavam “hesitantes com a vacina”, relatou o NY Times.

Uma enfermeira de um hospital da Califórnia que optou por não tomar a vacina porque está grávida, disse que seus colegas de trabalho que escolheram o mesmo caminho que ela, acreditando que não precisam da vacina para sobreviver à pandemia.

“Sinto que as pessoas estão pensando que podem passar pela pandemia sem tomar a vacina’”, disse April Lu, uma enfermeira de 31 anos do Providence Holy Cross Medical Center, ao Times.

O alto percentual de recusa da vacina não reflete apenas as escolhas dos profissionais de saúde, mas também da população em geral, disse o epidemiologista de Harvard Marc Lipsitch ao jornal.

“Nossa capacidade como sociedade de voltar a um nível superior de funcionamento depende de termos o maior número possível de pessoas protegidas”, disse Marc Lipsitch.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *