TJAM mantém eleição da Mesa Diretora da Assembleia

Manaus (AM) – Nesta terça-feira (15), por unanimidade, o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) decidiu rejeitar a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) dos deputados estaduais Alessandra Campelo (MDB) e Saullo Viana (PTB) contra a mudança no regimento que possibilitou a eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Amazonas para o biênio 2021/2022.

A decisão segue o mesmo entendimento no Supremo Tribunal Federal (STF), que manteve mudança constitucional que elegeu o novo presidente do Assembleia Legislativa do Estado (ALE), deputado estadual Roberto Cidade (PV).

A relatora do processo, desembargadora Joana Meirelles, rejeitou o pedido de desistência da ação proposta pelos deputados autores da ADI.

Na tarde de domingo (13), os autores da ação apresentaram desistência no processo. No pedido consta: “Alessandra Campêlo da Silva e Saullo Velame Vianna, já qualificados nos autos em epígrafe, vem à presença de Vossa Excelência requerer desistência quanto ao prosseguimento do feito”. O pedido dos parlamentares indica pacificação no ambiente político da Assembleia.

Em seu voto, a magistrada citou não haver como prosperar a ADI. “Não há como prosperar a presente ADI neste tocante, pois a norma constitucional foi plenamente observada pelo Parlamento, sendo que além da Constituição não informar prazo mínimo para realização dos turnos, o que já impediria também o conhecimento desta alegação, o Supremo Tribunal Federal (STF) de longa data tem entendido que não há interstício constitucional mínimo entre os dois turnos, ao revés do que determina em relação às Leis”, escreveu a desembargadora.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *