Deputada Joana D’Arc é denunciada por crimes de calúnia, difamação, injúria e quebra decoro

Manaus (AM) – A Assembleia Legislativa do Amazonas está passando por sua maior crise. Dezesseis deputados que votaram em Roberto Cidade (PV) para a presidência da Casa Legislativa foram acusados pela líder do governo, Joana D’Arc (PL) de receberem R$ 200 mil por cada voto. A eleição foi realizada no último dia 3.

A deputada, sem apresentar provas, disse que Adjuto Afonso (PDT), Álvaro Campelo (PP), Carlinhos Bessa (PV), Delegado Péricles (PSL) – Dermilson Chagas (Podemos),mFausto Jr (PRTB), Felipe Souza (Patriota), Josué Neto (PRTB), Mayara Pinheiro (PP), Ricardo Nicolau (PSD) – Roberto Cidade (PV), Serafim Corrêa (PSB), Sinésio Campos (PT), Therezinha Ruiz (PSDB) e Wilker Barreto (Podemos) se “venderam” para eleger a Mesa Diretora – biênio 2021/2022, presidida por Roberto Cidade.

A chapa concorrente recebeu oito votos.

Cassação

Devido a acusação da deputada Joana D’Arc, a Executiva Estadual do Podemos no Amazonas, através do seu presidente, deputado estadual Wilker Barreto, protocolou nesta quarta-feira (9), na Comissão de Ética da Assembleia Legislativa do Amazonas (CEP-ALE), um pedido de cassação do mandato da deputada Joana Darc (PL) por quebra de decoro parlamentar.

De acordo com o Wilker, a afirmação infundada da parlamentar ao citar que colegas deputados que votaram na chapa encabeçada por Roberto Cidade receberam R$ 200 mil, configura a prática de crimes como calúnia, difamação e injúria e fere o decoro parlamentar.

“A imunidade parlamentar é diferente da quebra de decoro porque o ônus da prova é quem acusa. Na ausência da materialidade das denúncias graves, como presidente do Podemos irei solicitar da Comissão de Ética uma total apuração dos fatos”, explicou o deputado.

Barreto ponderou que as ofensas da deputada Joana Darc feriram a dignidade e o respeito do Parlamento estadual e dos seus membros, de acordo com o regimento da Casa Legislativa, ficando sujeita a perda do seu mandato no Poder Legislativo.

Se os deputados recuarem na cassação de Joana D’Arc, as acusações feitas por ela podem ser interpretadas pelos eleitores amazonenses como verdadeiras.

Nesta quarta-feira, os deputados acusados de recebimento de propina recorreram ao Ministério Público pedindo investigação da denúncia.

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *