ONGs recorrem ao TCU para impedir obra da ferrovia EF-170

Organizações não-governamentais (ONGs), que recebiam milhões dos governos anteriores agora tentam, via ação do Ministério Público, atrapalhar investimentos como no caso da ferrovia EF-170.

Conhecida como Ferrogrão, que liga Sinop (MT) a Itaituba (PA), a ferrovia atravessará quase 1.000km para escoar os produtos da região aos portos, na costa.

Há previsão de quase R$13 bilhões de investimentos na região, uma das mais pobres do País.

A ideia é parar tudo porque durante o governo Temer o diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) prometeu “ouvir comunidades indígenas”, ou sejam, as próprias ONGs.

O MPF entrou na “onda” das ONGs e pediu para o Tribunal de Contas da União suspender a ferrovia até que os indígenas sejam “consultados”.

A iniciativa se sustenta em uma convenção da Organização Internacional do Trabalho (nº 169) sobre povos indígenas.

A ONG Instituto Socioambiental (ISA), que só em 2018 abiscoitou R$19,7 milhões do governo e já não leva mais nada, é uma das autoras da ação.

Tudo não passa de uma jogada para chantagear o governo Bolsonaro e força-lo a abrir os cofres, que estão fechados desde que o presidente tomou posse. (DP/RN)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *