Chefão do PCC liberado por ministro do STF foge para o Paraguai

Após o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, derrubar a liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio de Mello, dando liberdade ao traficante André Oliveira Macedo, o André do Rap, a Polícia Civil de São Paulo deu início a operação de captura que, segundo investigação preliminar, teria se deslocado ao Paraguai em um avião particular.

O Brasil dança no ritmo de Rap da Impunidade

Um dos chefes do Primeiro Comando da Capital, na Baixada Santista, foi liberado no final da manhã de sábado (10) da Penitenciária de Presidente Venceslau, onde estava sob tutela do Estado aguardando julgamento.

A Secretaria de Segurança Pública afirmou que agentes dos departamentos Estadual de Investigações Criminais (DEIC), de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) e de Operações Policiais Especiais (DOPE) fazem varreduras em busca de André desde a tarde de ontem.

Monitorado

André do Rap é um dos participantes da cúpula do Primeiro Comando da Capital (PCC) na Baixada Paulista. O traficante foi seguido em sigilo por investigadores que acreditam que na noite de sábado se viajou para o Paraguai.

Entendimento 

Apesar da periculosidade de André, o ministro Marco Aurélio atendeu ao pedido da defesa do réu, e na decisão informou que o prazo para a manutenção da prisão preventiva havia exaurido, uma vez que o traficante preso há pouco mais de um ano.

Pedido de ex-assessor

Em entrevista à Rádio BandNews FM, o ministro Marco Aurélio Mello foi questionado neste domingo sobre a reportagem da Crusoé que mostrou que o pedido de soltura do traficante André do Rap foi feito pelo escritório de um ex-assessor de seu gabinete.

O pedido, como mostrou a reportagem de Rodrigo Rangel e Luiz Vassallo, foi apresentado pelo escritório de Eduardo Ubaldo Barbosa, que até o começo do ano era assessor no gabinete do ministro do STF.

O ministro, pego de surpresa, disse que não sabia que o pedido foi feito pelo escritório do ex-assessor.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *