Deputado pede o impeachment de Gilmar Mendes por participar de live com invasor

O deputado federal Alcibio Mesquita Nunes, o Bibo Nunes (PSL-RS), defendeu o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, por fazer uma live na última sexta-feira (14) com João Pedro Stédile, líder do  Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), responsável por invadir e destruir propriedades privadas.

O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, também participou do encontro virtual em que o ‘suposto assunto principal’ foi a pandemia do vírus chinês.

Bibo Nunes destacou:

“O Ministro do STF, Gilmar Mendes fazer live com o criminoso MST, que jamais respeitou a lei é a divina decadência do Judiciário brasileiro … é um tapa na cara dos brasileiros! Impedimento de Gilmar Mendes já! Urubus de plantão estupefatos…sem rumo…” disse o deputado em seu Twitter.

Jornalistas renomados, como Augusto Nunes e Guilherme Fiúza também comentaram o encontro do ministro do STF com o integrante do grupo invasor:

“Gilmar deveria fazer uma única coisa nessa live dar voz de prisão ao Stédile, conhecido estuprador do direito de propriedade. Esse estuprador vai confraternizar com o ministro e provavelmente subscreverão o mesmo entendimento quanto a várias questões. Não dá para entender, um deles está errado ou os dois. Eu opto por essa hipótese”, disse Augusto Nunes.

Já o jornalista Guilherme Fiuza chamou a postura política de Gilmar de “desmoralização”:

“É um vexame, são todos burgueses, mas tem fundamento de mercado. O que temos que dizer sobre isso é que não estão fazendo uma cena à esquerda progressista, mas sim demagogia pura ;;; Gilmar se demitiu da função de juiz da Suprema Corte, assim como Carmen Lúcia, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes … não há nada que o STF faça de importante hoje pelo País, a não ser fazer política contra o governo federal. Nunca se viu uma Suprema Corte aparelhada dessa maneira, que só pensa em panfletagem contra o governo”.

*Com informações do DP/RN

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *