Governo Federal faz mutirão de atendimentos de saúde no norte da Amazônia

Missão interministerial leva profissionais e cerca de 100 mil itens entre máscaras, luvas, álcool em gel e testes de COVID-19 para o interior da Amazônia

A população de quatro comunidades do extremo norte do Amazonas será beneficiada com mais uma missão do Governo do Brasil que levou profissionais de saúde e duas toneladas em itens de proteção individual e insumos médicos. O Ministério da Saúde, com o apoio logístico do Ministério da Defesa, vai reforçar o atendimento à população, majoritariamente indígena, dos municípios de São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga, no Amazonas.

A viagem teve início neste sábado (6), partindo de Brasília (DF), com cerca de 100 mil itens, como máscaras, luvas, álcool em gel e testes rápidos para a COVID-19, além das equipes de saúde do Hospital das Forças Armas e técnicos do Ministério da Saúde. A próxima parada foi em Manaus (AM), onde outros profissionais do Hospital de Guarnição da capital do Amazonas se juntaram à missão com destino à São Gabriel da Cachoeira, no interior do Amazonas. No total, a missão levou mais de 20 profissionais de saúde, além de profissionais da imprensa que acompanharão a atividade até o dia 12 de junho.

“O Governo do Brasil tem atuado de forma coordenada para ampliar as ações de saúde no país, em especial nesse momento de pandemia. O suporte das parcerias interministeriais motiva as equipes de saúde que já estão em campo atuando no enfrentamento à COVID-19”, destacou o secretário especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Robson Santos da Silva.

Os profissionais de saúde das Forças Armadas irão atuar no atendimento à população de quatro comunidades da região: Maturacá, São Joaquim, Querari e Iuareté, onde se juntarão às Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena do Ministério da Saúde que já atendem a população local. Os atendimentos acontecerão nas sedes dos Pelotões Especiais de Fronteira do Exército, na região que abriga cerca de 4 mil brasileiros, incluindo indígenas e não-indígenas.

Os hospitais de Guarnição de São Gabriel da Cachoeira e de Tabatinga também receberão o material transportado visando reforçar as ações de combate à COVID-19. Os estabelecimentos de saúde são os únicos da região e atendem todos os integrantes das forças militares e também a toda a população dos municípios, incluindo uma das maiores populações indígenas do Brasil.

Os dois hospitais de referência que receberão parte dos insumos ficam localizados nas regiões do Alto Rio Negro e Alto Rio Solimões, nos municípios de São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga.

Equipamentos e insumos

No total, serão entregues cerca de 100 mil itens entre 48,5 mil máscaras cirúrgicas, 28 mil toucas, cerca de 9 mil aventais descartáveis, 4 mil máscaras N95, 1,8 mil aventais impermeáveis, 3,6 mil luvas, 1,5 mil comprimidos de cloroquina, 800 recipientes de álcool em gel, 700 kits de teste rápido para COVID-19, 600 protetores faciais, 400 macacões de proteção e 150 testes rápidos para malária.

Ações nas comunidades indígenas

Desde janeiro de 2020, mesmo antes da Organização Mundial da Saúde (OMS) decretar a Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII), o Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI), elaborou documentos técnicos para orientar povos indígenas, gestores e colaboradores sobre medidas de prevenção e de primeiros atendimentos à infecção pelo coronavírus. Os documentos foram fundamentais para planejar as ações que hoje chegam aos indígenas.

O Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus em Povos Indígenas detalha como as equipes de saúde devem agir conforme cada caso. Os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIS) também elaboraram Planos de Contingência Distritais, ou seja, cada um dos 34 DSEIs já tem um plano para as diferentes situações de enfrentamento da COVID-19 respeitando as características de cada povo e suas necessidades específicas. Todo esse planejamento e estudo antecipado resultam em atendimentos rápidos e eficientes executados diretamente nas aldeias.

Uma das primeiras ações executadas pela SESAI foi a capacitação dos indígenas e seus profissionais. Para isso, uma série de vídeos educativos direcionados para a população indígena, agentes de saúde, de saneamento e outros trabalhadores da saúde, sobre enfrentamento da COVID-19 foram disponibilizados no site do Ministério da Saúde. Os profissionais da Saúde Indígena também puderam participar de cursos on-line ofertados pela pasta voltados à prevenção da COVID-19. Tudo para que todos estivessem prontos para atender aos casos de infecção pelo novo coronavírus em indígenas. Atualmente, a SESAI também produz vídeos institucionais toda semana sobre as ações realizadas na pandemia de COVID-19 e os DSEI produzem materiais educativos na língua de cada povo.

Reforço de insumos e EPIs

O Ministério da Saúde já enviou cinco remessas de insumos aos DSEIs, totalizando mais de 600 mil itens, sendo 340,3 mil máscaras cirúrgicas, 32,3 mil máscaras N95, 166,7 mil luvas de procedimento, 13,3 mil aventais cirúrgicos, 16,6 mil toucas descartáveis, 6 mil frascos de álcool em gel 70%, 29,5 mil testes rápidos e outros insumos. Cada Distrito Sanitário também está realizando suas aquisições de EPI e testes rápidos.

Todos estes insumos complementam os estoques próprios dos 34 DSEI, que também mantém processos permanentes de aquisição de Equipamentos, possibilitando assim que todos os colaboradores e, consequentemente, os indígenas estejam devidamente protegidos.

*Com informações da Agência Saúde

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *