Empresas de Manaus buscam testar colaboradores para o Covid-19

Saiba quais testes são mais indicados para comprovar a imunidade de trabalhadores

Como outras cidades brasileiras, Manaus iniciou processo de reabertura da sua economia com a retomada gradual de atividades comerciais, industriais e de serviços, definidas por decreto governamental. Mas como garantir que os trabalhadores estão aptos a retornarem a seus postos sem comprometer a saúde de colegas e clientes? A preocupação tem levado empresários a buscarem no mercado exames para testagem em massa de seus colaboradores para a Covid-19, que teve a capital do Amazonas como um de seus epicentros.

É o caso da empresária Hellen Belota, proprietária da rede salões Maison Luh, que pretende testar todos os seus 80 colaboradores antes da reabertura. “Garantir a segurança de todos é minha prioridade, por isso tomei diversas medidas, indo da mudança de layout à compra de vários EPIs, mas considero a testagem imprescindível, então busquei um laboratório com expertise para me auxiliar”, comenta.

A preocupação da empresária faz todo sentido, uma vez que cada tipo de teste possui suas especificidades e, dependendo do período de realização (também chamado ‘janela imunológica), pode não dar um resultado verossímil, inviabilizando o investimento de quem está pagando pela segurança de funcionários.

“Existem, atualmente, três tipos de testes mais comuns sendo realizados para o novo coronavírus: o RT-PCR, o de sorologia e o rápido, cujo resultado sai em até três horas. Mas para um diagnóstico preciso, é necessário seguir alguns critérios, então, no caso das empresas, é importante contar com uma consultoria, pois nem sempre um único tipo de teste vai servir para todos os colaboradores”, explica a biomédica e coordenadora técnica do Sabin Medicina Diagnóstica, Mayara Alves.

Segundo a especialista, a aplicabilidade de cada tipo de teste depende, sobretudo, do período em que é feita a coleta e se o paciente apresenta ou não algum sintoma. Há casos, por exemplo, em que será preciso usar mais de um tipo de teste. “Em todas as situações, é necessária uma solicitação médica, que no caso das empresas pode ser do próprio médico do trabalho. Já a coleta poder ser agendada tanto para a própria empresa como para uma de nossas unidades exclusivas ou drive-thru”, ressalta.

Especificidades dos testes

Considerado padrão-ouro no diagnóstico da Covid-19, o exame RT-PCR é feito a partir de secreções retiradas das cavidades nasal e orofaringe. Por meio da técnica de biologia molecular, ele verifica a presença do vírus ativo no organismo. O resultado fica pronto em até quatro dias úteis. “A coleta pode ser feita do primeiro ao sétimo dia de sintomas, pois a partir do oitavo, a quantidade de RNA viral (código genético) no fluido biológico do paciente diminui muito”, explica a doutora Mayara Alves.

Isso quer dizer que, fora da primeira semana de sintomas, o PCR não terá um resultado tão preciso, sendo mais indicado, por tanto, o teste sorológico, com a coleta de sangue venoso, especialmente a partir do décimo dia. Isso porque, com esse teste, é possível verificar a resposta imunológica do corpo em relação ao vírus, ou seja, se a pessoa já desenvolveu anticorpos contra a doença. O resultado sai em até três dias úteis. “Esse teste pode detectar a presença de IgA, IgM e IgG, que são os anticorpos desenvolvidos pelas pessoas expostas ao Sars-CoV-2”, informa a biomédica. Ela ressalta que a produção de anticorpos no organismo só ocorre depois de um período mínimo de exposição ao vírus.

Já o teste rápido ou imunocromatográfico também é feito a partir da coleta de sangue do paciente e identifica os anticorpos IgM e IgG, não o vírus em si. Para um resultado confiável, o ideal é que também seja feito a partir do décimo dia de sintoma.

“Ou seja, ambos os testes utilizam o sangue (sorologia), o que os diferencia é a técnica de análise (leitura), pois o primeiro é qualitativo (informa se houve ou não contato com o vírus e se teve anticorpos contra ele), e o segundo é quantitativo, mostrando referências para o número de anticorpos encontrados, que conferem contato com o vírus e imunidade a ele. A grande vantagem do teste rápido em relação aos demais é mesmo o tempo, pois o resultado sai em no máximo três horas e o trabalhador tem mais segurança para retornar às suas atividades”, orienta Mayara Alves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *