PF cumpre mandados na residência oficial de Wilson Witzel

Operação Placebo, autorizada pelo STJ, busca documentos sobre desvio de recursos públicos liberados para o combate ao Covid-19.

A Polícia Federal deflagrou na  manhã desta terça-feira (26/05), a Operação Placebo para cumprir 12 mandados de busca e apreensão em dez endereços no Rio de Janeiro e dois em São Paulo. As equipes estão desde as 6h no Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador do estado, Wilson Witzel, e na casa onde ele morava antes de ser eleito, no bairro Grajaú.

Os agentes da PF também estão no endereço onde fica o escritório em que Helena Witzel, primeira-dama do estado atua, além da casa do ex-subsecretário de saúde, Gabriell Neves, no Leblon, zona sul da capital fluminense. Mais cedo, ainda na madrugada, os policiais estiveram no Aeroporto Internacional do Galeão onde uma equipe da Polícia Federal de Brasília desembarcou pouco depois de 5h30.

Witzel teria sido alertado na semana passada por pessoas próximas de que seria alvo de operação da PF nos desdobramentos das investigações no estado – incluindo a possibilidade de ser preso –, mas ele não sabia a data dessa operação.

Auxiliares do governador afirmaram que ele ficou surpreso aos ser acordado, por volta das 6h, por agentes da PF.

De acordo com comunicado da PF, “elementos de prova, obtidos durante investigações iniciadas no Rio de Janeiro pela Polícia Civil, pelo Ministério Público Estadual e pelo Ministério Público Federal naquele estado foram compartilhados com a Procuradoria Geral da República no bojo de investigação em curso no Superior Tribunal de Justiça e apontam para a existência de um esquema de corrupção envolvendo uma organização social contratada para a instalação de hospitais de campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde do Estado do Rio de Janeiro”.

 Outros alvos

Outros alvos da ação desta terça são Gabriell Neves, ex-subsecretário de Saúde de Witzel preso na Operação Mercadores do Caos, e o Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde), organização social (OS) contratada pelo governo do RJ para a construção de sete hospitais de campanha no estado.

Equipes foram para a casa de Gabriell, no Leblon, e nos escritórios da Iabas no Centro do Rio e em São Paulo, onde fica a sede da OS.

A assessoria do Iabas informou por volta das 8h20 que ainda não tem informações e que se posicionará depois.

Governadores

Todos os governadores que superfaturaram os preços de respiradores, máscaras e equipamentos de proteção estão sendo investigados e podem ser presos.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *