Governo sem rumo

Editorial

A incapacidade do Governo do Amazonas na gestão da área de Saúde está condenando centenas de pessoas à morte. Além dos números alarmantes do coronavírus,  pacientes com doenças crônicas renais podem ficar sem tratamento de hemodiálise. Cardiopatas têm acesso somente a avaliação via extrínseca da coagulação.

O Estado tem débitos abertos com as clínicas de assistência nefrológica desde 2018. Catorze empresas que prestam serviços para o governo do Estado emitiram um documento onde cobram pelo pagamento dos serviços de fornecimento de materiais para o combate ao Covid-19. Clínicas que realizam cirurgias oftalmológicas já reduziram os procedimentos por falta de pagamentos. Numa delas, no início de março, mais de 800 cirurgias foram canceladas.

A aposta eleitoral pelo “novo” expôs as vísceras da incompetência de um animador de palco. É imensurável a irresponsabilidade dos eleitores, como também é impossível medir a cumplicidade de políticos que apóiam o governo, assim como a imprensa por “esconder” o caos na Saúde. Esta, muitas vezes, paga para “fechar os olhos”.

A Covid-19 fez a população olhar para o passado do sistema de saúde no Amazonas e enxergaram o que cada governo fez de maldades, desviando recursos e, os poucos que restaram, foram mal aplicados. O atual governador, completamente perdido, e sua equipe incompetente, serão lembrados na história pelo número de mortos.

Até quando a população vai suportar? Quem está aguardando tratamento não dispões de tempo para esperar uma decisão de gestores incompetentes. E isso não é culpa só do governador Wilson Lima. Gestões anteriores “assaltaram” os cofres da Susam.

O Amazonas tem sido destaque nacional porque tem a taxa mais alta de incidência do novo coronavírus, sendo 19,1 para 100 mil habitantes, e segue em aceleração descontrolada dos casos, sem perspectiva de controle a médio prazo.

Segundo matéria publicada pela ‘Folha de S. Paulo’, na manhã desta sexta-feira (10), o Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Delphina Aziz, referência no novo coronavírus (Covid-19), colapsou. .

De acordo com um funcionário, as Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) estão lotadas, as salas de emergências estão lotadas e que, inclusive, a família de uma idosa foi orientada a levá-la de volta para casa para que ela morresse “em paz”.

Onde vamos parar? Agora, o governador pretende indicar um candidato para a Prefeitura de Manaus. Será que não aprenderemos com o exemplo que está nas nossas caras?

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *