Lucilene Castro comemora 25 anos de carreira

Lucilene Castro, iniciou a carreira profissional no ano de 1996, com a gravação do seu primeiro álbum intitulado “Vento Norte”, que foi lançado no ano seguinte. A época foi a primeira cantora a gravar um CD inteiro somente com toadas de boi-bumbá.

A Amazonense venceu vários festivais de música e conquistou prêmios de melhor intérprete. Entre eles, o Festival da Canção de Parintins (1991) e o Festival Universitário de Música do Amazonas (1993). Considerada ainda a melhor cantora (levantadora) do Festival de toadas da Fundação Villa Lobos, por três anos consecutivos (1993/1994/1995).

Com formação teatral, estrelou o espetáculo musical “Boi de Pano”, onde faz a personagem de Mãe Catirina ao lado de diversas expressões cênicas da região, inclusive sendo a única produção 100% regional a participar do V Festival de Ópera do Amazonas (2001).

Já se apresentou em diversas capitais e municípios brasileiros tais como a cidade de São Luiz, a convite da Universidade Federal daquele estado para inaugurar o palacete “Gentil Braga”; Sesc Pompéia/SP, na Feira Amazônia BR, Centro Cultural Dragão do Mar, na cidade de Fortaleza, “I Encontro do Amazonas em Brasília”, através do projeto Valores da terra. No ano de 2000 representou o Amazonas, na cidade de Hannover/Alemanha, na feira mundial expo/2000 e em 2005 participou das comemorações do Ano do Brasil na França fazendo diversas apresentações em Paris a convite do governo do estado. Nos anos de 2007 e 2008, foi até a cidade de Maringá/PR representar o estado do Amazonas no “FEMUCIC”, festival da canção daquela cidade, um dos maiores festivais de música não competitiva do país

Foi uma das protagonistas dos musicais: “Mulheres do Brasil – Cantoras do Amazonas” (2001), “MARIA, MARIA – Uma Viagem Pelo Universo Feminino” (2003/2004), “CAIA NA GANDAIA – Um “revival” dos anos 70” (2004), “PAIXÃO, LOUCA PAIXÃO” (2005), “…MAS PODEM ME CHAMAR DE CHICO” (2012) onde atuou também como produtora dos referidos espetáculos

Possui oito CD gravados, o primeiro “VENTO NORTE”, lançado em 1997 pela gravadora Atração/SP, o segundo lançado pelo Projeto Valores da Terra, uma homenagem ao nosso maior poeta popular Chico da Silva intitulado “LUCILENE CASTRO canta CHICO DA SILVA” (2001), um trabalho de pesquisa da obra de um dos mais ilustres compositores amazonenses; seu terceiro CD foi lançado em 2002 através do selo Estrelas do Amazonas, projeto promovido pela Secretaria de Cultura do Estado, trata-se disco ao vivo que reúnem em seu repertório canções de vários compositores amazônicos. Em dezembro de 2004 lançou de forma independente o CD intitulado “PRA VOCÊ NÃO ME ESQUECER”, em dezembro de 2006 relançou o CD “LUCILENE CASTRO canta CHICO DA SILVA” incluindo outras canções do referido compositor, com apoio do BASA, em 2009 lançou o CD DANÇA DAS CORES, selecionado pela FUNARTE, para participar do projeto Pixinguinha 2008, CD com toadas de boi bumbá, gravado com uma orquestra de câmara, sendo alguns músicos integrantes da Amazonas Filarmônica, em 2011 lançou o CD “SAMBA DA MINHA TERRA”, projeto premiado pelo PROARTE. “Cantos da Amazônia” (2016) que mostra um pouco dos ritmos e da produção musical da região. Lucilene Castro Ao Vivo (2020) que inclui canções populares da música amazonense. Em 2021 lançou o super prestigiado EP “Desafio das Cores” com a amiga e parceira musical Marcia Siqueira, trabalho este que rendeu a obra visual “Kananciuê”, videoclipe dirigido pela cineasta Cristiane García, disponível no canal oficial do YouTube da cantora.

 O DVD – Lucilene Castro 25 ANOS

 Gravado no Hotel Juma Ópera Ópera House em março de 2021, o DVD apresenta a artista em performance intimista cantando um repertório que abrange as várias fases de sua trajetória musical de 25 anos traduzida na versatilidade da cantora, que, transita em diversos ritmos como a toada de boi-bumbá, o samba e a música amazônica.

Com a direção audiovisual de Cristiane García (Olha Já Filmes), direção artística de Márcio Braz, direção musical de Célio Vulcão, e figurinos com a assinatura de Jorge Melo, que utilizou as estampas da coleção Terra Brasilis do artista plástico Rui Machado gentilmente cedidas para a gravação do projeto, a artista se diz orgulhosa do resultado final. “O DVD é um registro histórico e importante para mim, pois nele tenho a oportunidade de eternizar uma jornada que venho traçando desde os anos 90. Quem me acompanha sabe do grande esforço que venho fazendo para manter um trabalho musical sólido e perene na música amazonense”, enfatiza.

Esse DVD é um desejo antigo da cantora que revela ter planejado esse momento. “Quando tive a oportunidade de celebrar 25 anos de carreira vislumbrei a chance de colocar em prática o projeto que já vinha pensado há bastante tempo. Foram várias ideias que surgiram e refinamos até chegar neste resultado, e isso só foi possível com o incentivo da Lei Aldir Blanc, através do programa Cultura Criativa da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Amazonas”, completa Lucilene.

Uma prévia do DVD, o single inédito “Vendaval” já está disponível nas plataformas digitais. O DVD completo tem previsão de lançamento no canal oficial do YouTube da cantora no dia 28 de agosto, através do link: https://youtu.be/T-gfQjbjqY0.

 

 Faixas do álbum digital.

  1. Amazonas (Chico da Silva)
  2. Barcos e Canoas (Rui Machado, Sidney Rezende)
  3. Misterioso Kuraca (Bené Siqueira)
  4. Decameron (Kuarup) (Mencius Melo) [Participação Especial de Marcia Siqueira]
  5. Diário de um Boêmio (Chico da Silva)
  6. Pandeiro é Meu Nome (Chico da Silva, Venâncio)
  7. Kissamba (Don Don, Assis Almeida, Papaco do Samba)
  8. Lamento Caboclo (Nicolas Júnior)
  9. Mãe Zumira – O Amanhecer de Uma Raça (Gilson, Almeron)
  10. Morena (Remix) (Nicolas Júnior)
  11. Samba do Malandro (Roberto Dibo)
  12. Vendaval (Bené Siqueira) [Faixa inédita]

 Ficha Técnica do DVD

Projeto contemplado pelo programa Cultura Criativa – 2020/Lei Aldir Blanc – Prêmio Feliciano Lana do Governo do Estado do Amazonas, com apoio do Governo Federal – Ministério do Turismo – Secretaria Especial da Cultura, Fundo Nacional de Cultura.

Show gravado em março de 2021 no Hotel Juma Ópera House, Manaus – Am.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *