Ciência não é para amadores

A Ciência é um modo de conhecimento fundamentado na observação, na experimentação e na produção de teorias e leis. As teorias são constantemente testadas, visando sua comprovação ou substituição por outra teoria que resista à checagem.

Nesta época de pandemia, a palavra Ciência tem sido repetida exaustivamente, principalmente por àqueles que não conhecem todos os processos para a estruturação do conhecimento.

A Medicina nunca foi tão questionada por jornalistas que abordam, com uma vertente ideológica, a pandemia do coronavírus. A permanente violação da verdade nas matérias desacreditam ainda mais a frágil imprensa. A ética profissional foi para o esgoto.

O comportamento venal dos comunicadores acostumados na corrupção na administração petista, dá voz ao corrupto Lula, ao desequilibrado Ciro Gomes, ao ridículo youtuber Felipe Neto e aos atores da Globo que perderam a mamata da Lei Rouanet. Em Manaus, por exemplo, todos os dias, acordamos com apresentadores e blogueiros criticando a postura do presidente Jair Bolsonaro em defesa ao tratamento precoce à Covid-19.

Analfabetos em matemática, os comunicadores e blogueiros não entendem que aproximações sucessivas na tabela de logaritmos fornecem dados para que determinado tratamento, mesmo questionado por “cientistas” comprometidos até o pescoço com a indústria farmacêutica, respalde o uso da IVERMECTINA.

Se compararmos as políticas de combate à Covid-19 no Reino Unido – centro de produção de vacinas – e alguns países do Oriente Médio, o discurso de comunicadores é esvaziado e pode ser visto sob o prisma da irresponsabilidade. Enquanto o Reino Unido que vacina a população enfrenta uma grande escalada da pandemia, países que adotaram o tratamento precoce estão navegando em mar tranquilo.

Não é preciso ir longe. Municípios como Porto Seguro (BA), São Lourenço (MG) e Rio Claro (SP) obtiveram resultados extraordinários com a adoção do tratamento precoce. Segundo a infectologista Roberta Lacerda, da Universidade Federal do Rio Grande Norte, 42 estudos já comprovaram a eficácia da INVERMECTINA.

Com as mentiras propagadas sobre a alegação que não existe comprovação científica do tratamento precoce, os comunicadores estão contribuindo para as mortes de milhares de pessoas.

Pesquisando sobre resultados de estudos da eficiência do tratamento precoce, ouvi várias manifestações, mas nenhuma tão direta com a da infectologista Roberta Lacerda. A especialista foi clara: a INVERMECTINA tem o poder de interromper a pandemia da Covid-19.

A infectologista chegou a esta conclusão a partir de evidências, em virtude dos dados do Reino Unido e de países como Índia, Iraque e Irã, que a INVERMECTINA tem eficácia se for adotada até o terceiro dia de infecção. Nos países que adotaram o tratamento precoce, o número de infectados é muito baixo.

Se a pessoa não entende de um assunto, que fique calada. Como cristão, observo o corpo humano e identifico que ele dá sinais da simetria idealizada por Deus. Temos dois olhos para observarmos muito, duas narinas para sentirmos melhor o odor, dois ouvidos para escutarmos muito e apenas uma boca para falarmos pouco.

Para termos uma ideia, todos os grandes cientistas, como Sir Isaac Newton e Albert Einstein, dificilmente falavam. Então, os comunicadores que falam inverdades pelos cotovelos, só podem ter problemas cognitivos ou são analfabetos funcionais. E que fiquem calados, pelo amor de Deus.


Rosalvo Reis

Rosalvo Reis

Editor do Portal Roteiro de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *