Os Jogos Vorazes da Covid-19

A taxa de mortos entre os infectados pelo novo coronavírus é inferior a 0,20% na maioria dos locais do mundo, aponta um trabalho recém-publicado por um dos principais especialistas em epidemiologia e em medicina baseada em evidências, o professor John Ionnidis, da Universidade de Stanford.

O cálculo da taxa de letalidade por infecção é importante, explica o professor, “porque baseia políticas públicas de grande impacto na vida das pessoas e na evolução social e econômica dos países, como confinamentos, toques de recolher e fechamento de escolas”.

Os cálculos foram feitos com base em estudos de soroprevalência, que medem a proporção de pessoas que desenvolveram anticorpos para o Sars-Cov-2.

Opressão

Se você assistiu a trilogia “Jogos Vorazes” entende o que é distopia. O termo se refere a um lugar, época ou estado imaginário em que se vive sob condições de extrema opressão, desespero ou privação. As distopias são geralmente caracterizadas por totalitarismo ou autoritarismo (controle opressivo de toda uma sociedade), por anarquia (desagregação social), ou por condições econômicas, populacionais ou ambientais degradadas ou levadas a um extremo ou outro.

A política distópica para evitar a propagação do novo coronavírus se insere nesse contexto como ferramenta de controle, por parte do estado, de instituições ou corporações, da população.

O primeiro uso conhecido da palavra ‘distopia’ apareceu num discurso ao Parlamento Britânico por Gregg Webber e John Stuart Mill, em 1868.

Números

Os números do professor Ioannidis indicam com mais precisão quantos foram infectados, pois incluem também os que não tiveram sintomas ou não perceberam que haviam sido contaminados.

Ioannidis partiu de 61 estudos e 8 pesquisas nacionais, num total de 82 estimativas em 51 locais diferentes.

Com base nelas, projetou que havia mais de meio bilhão de pessoas infectadas até 12 de setembro de 2020, 17 vezes os 29 milhões de casos confirmados na ocasião.

O trabalho do pesquisador encontrou uma taxa mediana de letalidade por infecções de 0,23%, ou seja, houve 23 mortes para cada 10 mil pessoas contaminadas pelo Sars-Cov-2.

“Se uma amostra pudesse ser igual em todos os locais do mundo, a taxa média de mortalidade por infecção pode ser substancialmente inferior aos 0,23% observados em minha análise, e pode ser ainda mais reduzida com medidas que protejam seletivamente populações vulneráveis e ambientes de alto risco”, argumentou o professor.

Os números são comparáveis às taxas de letalidade da gripe sazonal e da pneumonia: 0,13% e 0,2%, respectivamente.

Portanto, estamos vivendo uma Nova Ordem Mundial. Somos marionetes de um regime totalitário. Se o isolamento fosse vertical, não seria possível criar “campos de concentração” nas residências. Mas, a ideia é quebrar a economia e gerar distúrbios mentais para nos controlar.

Assim como a gripe comum, a Covid-19 jamais irá desaparecer. O máximo que a ciência pode conseguir é desenvolver uma vacina que possa aumentar anticorpos e diminuir a gravidade da contaminação.

Estamos vivendo o novo normal: “Vacina fake, prisão domiciliar, campos de quarentena e fim do dinheiro em espécie”.


Rosalvo Reis

Rosalvo Reis

Editor do Portal Roteiro de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *