Ataques e resiliência

Estamos numa época em que falar de patriotismo arriscamos ser politicamente incorreto. Só nos campos de futebol parece ser hoje admissível o orgulho num país, o apego a uma bandeira, a emoção ao ouvir um hino.

Os brasileiros têm todo o direito de protegerem o país, cheio de imperfeições como qualquer outro, porque tem uma história que transcende de tal forma a dimensão do território e do povo que é ímpar.

O Brasil é um caso de resiliência histórica, observado e cobiçado, por mar e por terra, por adversários comprometidos com a corrupção e com a ignorância, além de uma imprensa composta por “ungidos” que “conhecem” desde direito canônico à prostituição. Entretanto, desconhecem a verdade, um substantivo feminino relacionado com fatos, com a realidade.

Os “ungidos” utilizam as teclas dos computadores para, de forma subjetiva, camuflarem suas fraquezas, unindo-se nos momentos cruciais para não perder a possibilidade de continuar a escrever segundo seus acordos “econômicos” pouco republicanos.

Quem é um mero observador das notícias baseadas em interesses escusos de quem as propaga fica em dúvida: o quadro corrupto vai continuar ou pode-se acreditar numa mudança radical?

Num país onde jornalistas e blogueiros têm dificuldades para diferenciar ciência de tecnologia, não conseguem entender operações básicas de matemática, mas acreditam que são mensageiros da verdade absoluta, é difícil acreditar numa mudança pacífica; onde os partidos de esquerda estão atolados em corrupção e seus militantes usam os neurônios para a repetição de narrativas que a maioria não conhece o significado.

Fica difícil acreditar numa revolução social a médio prazo, pois temos um sistema escolar contaminado por professores que só têm a visão comunista, que não dão direito ao contraditório e exaltam figuras corruptas. O estrago que a esquerda fez no Brasil levará muito tempo, talvez décadas, para ser corrigido.

Precisamos ser resilientes, ou seja, voltarmos à forma original, depois de termos sido atacados por seres deformados.


Rosalvo Reis

Editor do Portal Roteiro de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *