Deputados subscrevem Moção de Belarmino Lins por Programa Emergencial de Assistência Alimentar

Manaus (AM) – Com subscrição de mais de 16 parlamentares, a Assembleia Legislativa (Aleam) aprovou, na manhã desta terça-feira (14),  Moção de Apelo de autoria do deputado Belarmino  Lins (Progressistas)  propondo ao Governo do Estado a elaboração de um Programa Emergencial de Assistência Alimentar para socorrer, com cestas básicas, durante quatro meses, as famílias de baixa renda face a escalada da covid-19 (coronavírus) no interior do Amazonas.

Segundo o parlamentar, o programa “é uma necessidade extrema” considerando o estado de calamidade pública que assola os 61 municípios do Amazonas com o descontrolado crescimento dos casos de covid-19 (coronavírus). “As cestas básicas, durante quatro meses, serão de imensa importância para as famílias de baixa renda que sofrem com a pandemia da covid-19”, destacou o parlamentar.

Outra Moção de Apelo de Belarmino Lins, aprovada na sessão virtual desta terça da Aleam, propõe ao governo a realização de estudos visando a construção de um hospital de alta complexidade em Iranduba para cobrir as demandas de saúde de cidades vizinhas como Novo Airão, Manacapuru, Manaquiri e Caapiranga, além de bairros como Ponta Negra, Compensa, Santo Antônio, Santo Agostinho e outros localizados geograficamente nas proximidades de Iranduba.

Além do governador Wilson Lima e do seu vice, Carlos Almeida, a Moção de Apelo do líder progressista também será encaminhada a todos os deputados federais e senadores que compõem a bancada do Amazonas no Congresso Nacional solicitando-lhes o apoio devido para a busca dos recursos necessários à empreitada.

Auxílio Emergencial

Ainda na sessão online desta terça, Belarmino Lins ressaltou, ainda, ato da Câmara Federal que aprovou a concessão de Auxílio Emergencial beneficiando pescadores, motoristas de táxi, mototaxistas, garçons, agricultores familiares, aquicultores e uma série de outras categorias que tiveram suas atividades paralisadas por conta da pandemia do coronavírus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *