Contaminação do chá é a tese da defesa

A defesa do atacante Paolo Guerrero trabalha com a possibilidade de que algum dos chás antigripais e digestivos que ele tomou na concentração da seleção do Peru possa estar contaminado com benzoylecgonina, metabólito da cocaína e do chá de coca.

“Ele admitiu que tomou chás. A federação peruana já está mandando todo o histórico do que Guerrero tomou e comeu enquanto estava lá. Vamos investigar ponto a ponto’, disse Bichara Neto, um dos advogados do atleta, em entrevista ao portal O Globo.

O exame de doping de Guerrero será analisado por um químico especialista, que irá apontar os níveis das substâncias encontradas.

Os advogados do atacante afirmam que o peruano garantiu que não tomou chá de coca, porque saberia reconhecer o sabor.

Todos os chás consumidos pelo peruano na ocasião serão analisados. A defesa considera que o chá que ele possa ter tomado teria sido produzido no mesmo maquinário que, em outro momento produziu o chá de coca, gerando a contaminação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *