Sindsep-AM denuncia perseguição a servidor do Inpa

Manaus (AM) – O Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Amazonas (Sindsep-AM) prepara ação em que denunciará a atual gestora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) por perseguição política e assédio moral ao servidor Jorge Luiz Ramos Lobato, também secretário de administração da entidade laboral.

]O servidor, com 27 anos de carreira dedicados ao Inpa, foi sumariamente transferido para o Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor (SIASS), que nada tem a ver com seu perfil e histórico profissional no órgão que produz educação e ciência na região.

A transferência, comunicada no último dia 12 por meio da portaria 170/2019, não traz nenhuma justificativa para o ato, estranhamente adotado poucos dias após Jorge Lobato participar, como servidor e represente sindical dos servidores do Inpa, de um ato público em defesa do órgão, que, já há alguns anos, não recebe, por parte dos governos no poder, o devido reconhecimento e valorização.

O ato em defesa do Inpa ocorreu no dia 4 de setembro, reunindo mais de 500 pessoas, entre servidores de carreira, pesquisadores e estudantes da instituição. Na ocasião, os manifestantes deram um ‘abraço coletivo’ no prédio do órgão, simbolizando sua luta para que o Inpa seja tratado com o respeito que merece pelos seus anos de contribuição ao desenvolvimento social e econômico da Amazônia.

“Nossa assessoria jurídica está estudando a melhor medida a ser tomada e com certeza iremos questionar essa decisão, pois o Lobato foi eleito para o sindicato pela base do Inpa e não pode ser transferido para outro órgão que nada tem a ver com sua representatividade. A nós está claro que se trata de uma retaliação ao servidor por ter exercido seu democrático direito à livre manifestação em defesa do que acredita ser o melhor para o órgão”, argumenta o secretário-geral do Sindsep-AM, Walter Matos.

O dirigente sindical lembra ainda que um dos principais problemas do Inpa atualmente é a falta de pessoal, o que torna ainda mais intrigante a atitude da diretora do órgão ao transferir Jorge Lobato. “O Inpa já chegou a ter mais de 1.200 colaboradores em seu quadro, mas atualmente são pouco mais de 500 e 40% destes estão sob abono de permanência (com tempo para se aposentar), então qual a justifica, diante dessa situação, para se abrir mão de um servidor experiente e qualificado como o Lobato? É no mínimo estranho e precisa sim de uma justificativa plausível”, destaca Matos.

Ainda conforme o secretário-geral do Sindsep-AM, a avaliação é de que o ato tem a intenção de calar a voz do servidor, que sempre foi atuante e combativo no que diz respeito à defesa do Inpa e dos direitos de seus servidores.

A direção do sindicato repudia a atitude da diretora do Inpa e inclusive já levou o fato ao conhecimento da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), a qual também já está tomando as medidas cabíveis para a reversão do ato administrativo.

Segundo a entidade, a perseguição política, infelizmente, é uma prática frequente nas repartições públicas, sendo uma forma de desencorajar os demais funcionários a lutarem por seus direitos ou convicções. “Vamos denunciar essa lamentável atitude junto às autoridades públicas, parlamentares, imprensa e toda a sociedade, pois não podemos admitir, em pleno século 21, mordaça na boca de um servidor só porque ele fala as verdades que precisam ser ditas. O Lobato é um militante por convicção, que atua não só dentro do Inpa e no Sindsep-AM, mas também no Fórum de Ciência e Tecnologia, sempre defendo o serviço e o servidor público”, afirma Walter Matos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *