‘A greve dos professores é legítima e legal’, afirma Dermilson

Manaus (AM) – Convidados pelo deputado Dermilson Chagas (PP), os professores da rede pública estadual lotaram a galeria da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), na manhã desta terça-feira (16), com o intuito de receberem apoio dos parlamentares para que eles convençam o governador Wilson Lima conceder o reajuste salarial de 15%. O Chefe do executivo propõe 3, 98%.

O convite do Dermilson aos professores se deu após o governo do Amazonas por meio de uma Ação Civil Pública, suspender a greve com multa diária de R$ 20 mil por descumprimento da decisão, acatada pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). “Os educadores sempre terão o meu apoio. Os convidamos para deixar claro que poderão ser ouvidos por nós. Eles não são marginais como o governo considera. O movimento é legitimo e legal”, disse.

O parlamentar ressaltou que a posição de Wilson e do Secretário de Estado de Educação (Seduc), Luiz castro, em pedir de a justiça suspender a greve dos professores, só mostra que eles não têm a habilidade e a sensibilidade de buscar uma solução justa para categoria. “Estou indignado com a atitude do governador, pois quando ele estava em campanha para ser eleito, disse várias vezes que os professores não precisariam entrar emgreve para conseguir o reajuste”, disse.

Dermilson relembrou as gratificações que o secretario Luiz Castro concedeu ao seu grupo político. “E agora está proibindo de eles revindicarem o que é justo, os 15%. Quer dizer então que tem dinheiro para Luiz Castro pagar uma gratificação de R$ 10 mil para os seus assessores, mas não tem dinheiro para reajustar os salários dos nossos educadores. Um absurdo”.

Por fim, Dermilson afirmou que se chegar um projeto do governo na Assembleia Legislativa que não contempla o que a categoria está almejando, os 15%, ele entrará com emendas para modificar e garantir o que é justo para os professores. “Em 2018, aprovamos o reajuste de 24% para categoria, esse ano não será diferente, vamos manter esse compromisso”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *