Indígenas warao recebem itens de higiene e proteção contra mosquitos

Manaus (AM) – O abrigo provisório mantido pela Prefeitura de Manaus, na zona Sul, para acolher indígenas venezuelanos da etnia warao, foi contemplado nesta quarta-feira, 24/6, com kits de higiene pessoal, baldes e mosqueteiros, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), integrante das agências internacionais da Organização das Nações Unidas (ONU).

Os espaços de acolhimento são administrados pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), e nas duas últimas semanas foram entregues nos seis abrigos provisórios, 226 mosqueteiros, 112 baldes e 226 kits de higiene pessoal (sabonete, creme dental, xampu).

O trabalho, em parceria entre as instituições que compõem o Plano de Ajuda Humanitária aos Refugiados Venezuelanos no município de Manaus, garante o acesso a itens básicos nesses espaços de acolhimento provisório e área de isolamento para indígenas venezuelanos da etnia warao.

De acordo com a diretora do Departamento de Proteção Social Especial (DPSE) da Semasc, Mirella Lauschner, a parceria entre o órgão e as agências internacionais da ONU se intensificou desde o início da pandemia, aumentando os esforços para evitar que o novo coronavírus pudesse se espalhar entre os refugiados, além de garantir direitos básicos aos indígenas warao.

“A parceria firmada ao longo dos 4 anos foi reforçada em tempos de pandemia. A ampliação dos parceiros tem sido significativa, para que possamos garantir e atender, de forma qualificada, as necessidades sociais mínimas e assegurar os direitos dessa população extremamente vulnerável”, ressalta Mirella.

De acordo com a assistente Sênior de Proteção do Acnur, Juliana Serra, a entrega dos kits é parte de uma estratégia de prevenção à Covid-19, para a comunidade refugiada e migrante em Manaus, que também contempla apoio direto a parceiros na gestão de espaços de acolhimento e atividades de comunicação com a comunidade.

“Dentro desse contexto de deslocamento e pandemia de Covid-19, o Acnur tem trabalhado para assegurar que todos os refugiados possam ter o direito de acessar os serviços essenciais de saúde pública e emergência. Para que possamos garantir proteção integral dessas pessoas no momento de pandemia, a prevenção é a chave nesta resposta. Isso engloba tanto a distribuição de kits de higiene, camas, colchonetes e outros itens básicos, quanto a realização de atividades de comunicação com a comunidade, mobilização e fortalecimento comunitário”, explica Juliana.

Ações 

Desde o final de 2016, a Prefeitura de Manaus, começou a atender os primeiros refugiados venezuelanos da etnia warao, que ocupavam o entorno da rodoviária de Manaus, com ações de saúde e assistência social. Em meio à pandemia do novo coronavírus, o trabalho de saúde integral junto aos indígenas venezuelanos tem sido intensificado pelo Plano Emergencial de Enfrentamento à Covid-19.

Além de receberem as três principais refeições do dia (café, almoço e jantar), os abrigos são assistidos por uma equipe multidisciplinar de técnicos da Assistência Social, como psicólogos, assistentes sociais, coordenadores de abrigos e cuidadores sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *