Prova contra Platiny some no Cemitério Aleam

Deputado ajuda cartórios e pode perder mandato

Manaus (AM) – Acusado de quebra de decoro, o deputado estadual Platiny Soares (PSB) pode acabar na Comissão de Ética e ficar sem o mandato na da Assembleia Legislativa. Tudo por ter induzido seus colegas parlamentares a grave erro ao aprovarem um substitutivo que, segundo os deputados Alessandra Campêlo (MDB) e Luiz Castro (Rede), foi embutido de forma fraudulenta em um projeto do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM) que determina nova organização dos cartórios.

Alessandra e Castro ingressaram com uma representação junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Polícia Federal pedindo a apuração do caso, certos de que Platiny, relator da matéria, mentiu ao convencer os deputados de que o substitutivo, que mudou o projeto original, fora encaminhado ao Poder Legislativo pelo presidente do TJAM, desembargador Yedo Simões.

Alessandra afirma já ter consultado Yedo, com este respondendo desconhecer o ‘jabuti’ empurrado goela abaixo dos parlamentares na sessão plenária do dia 13 de setembro. Suspeitando de Platiny, Alessandra e Castro decidiram levar o caso ao CNJ e a PF para investigações mais acuradas.

Gravação sumiu

A peça judicial de Alessandra Campêlo e Luiz Castro está fortalecida por cópia da ata da reunião legislativa em que o substitutivo-jabuti de Platiny Soares foi aprovado na ALEAM.

Os denunciantes, entretanto, não conseguiram juntar a ação movida ao CNJ e a PF cópia de vídeo da reunião, pelo fato de que a gravação televisiva foi estranhamente danificada em um dos computadores da TV ALE. A PF, de acordo com informações, vai apurar as causas do dano.

Vallisney homenageado

Amazonense de nascimento, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, um dos expoentes da Operação Lava Jato, foi contemplado com a medalha Ruy Araújo, a mais alta honraria da Assembleia Legislativa.

A homenagem, de autoria do deputado estadual Luiz Castro (Rede), aconteceu no Plenário Ruy Araujo da Aleam, na última sexta-feira.

Armando Freitas

Conforme o presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana e ouvidor-geral da OAB/AM, Glen Wilde Freitas, o assassinato do advogado e ex-deputado Armando Freitas não foi esclarecido até hoje devido a total falta de estrutura da Delegacia de Homicídios e Sequestros, da Polícia Civil.

Por isso, o caso certamente cairá no esquecimento.

Cemitério Aleam

A poucos dias da corrida às urnas, ninguém segura os deputados no plenário do Poder Legislativo Estadual. O deputado Vicente Lopes (PV) já avisou que se ausentará da Casa durante toda esta semana, buscando votos para sua reeleição no interior do Estado.

Seguindo a onda, a tendência é que vários outros parlamentares sigam o exemplo de Lopes e a Casa vire um grande cemitério.

Candidatos omissos

Dados do TSE mostram que dos 24.798 candidatos nas eleições deste ano, 8.593 não declararam nada à Justiça Eleitoral neste primeiro mês de caça aos votos. Desse montante, 2.694 concorrentes são mulheres.

No fio da navalha

Considerado ficha suja pelo TRE-AM em virtude de condenação em segunda instância, o deputado estadual Abdala Fraxe (Podemos) foi aliviado pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que derrubou a condenação.

Mas, até a tarde de sábado (22), o site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda mantinha o nome de Abdala como inapto na disputa eleitoral em curso.