Príncipe enterrado vivo ou envenenado: ‘A múmia que grita’

Cairo – O mistério de “A múmia que grita”, como ficou conhecida, intrigou os arqueólogos durante décadas, mas parece ter sido finalmente resolvido: a expressão de agonia tem origem numa morte que foi um castigo e o homem foi enterrado vivo ou envenenado.

Os restos mortais foram encontrados no vale de Deir El Bahri, muito perto do histórico Vale dos Reis, no Egito, e surpreenderam logo os investigadores quando se depararam com o rosto mumificado num grito silencioso.

Durante anos, várias teorias tentaram explicar a identidade do homem e perceber qual o motivo para ter sofrido uma morte tão agonizante.

Uma das teorias mais populares é a de ele era o príncipe Pentewere, filho do faraó Ramsés III e de uma das suas mulheres, Tiye.

O príncipe Pentewere conspirou para matar o pai e assumir o trono. Os seus planos não vingaram e foi julgado e condenado à morte. No entanto, essa teoria foi considerada falsa, tendo em conta a última descoberta.

“Duas forças agiram neste corpo: uma que o tentava destruir e outra que o tentava salvar”, disse Bob Brier, um arqueólogo da Universidade de Long Island, em Nova Iorque, que examinou a múmia.

Zahi Hawass, do Conselho Supremo de Antiguidades egípcio, diz que é provável que os restos mortais sejam de um príncipe que envergonhou a família, uma vez que foi enterrado ao lado de outros reis, mas ficou coberto com uma pele de carneiro.

“No Egípcio antigo cobrir com uma pele de carneiro significava que a pessoa não estava limpa, que tinha feito algo mal durante a vida”, explicou Zahi.

“Por algum motivo, houve uma tentativa de garantir que ele não tivesse uma vida após a morte, mas houve ainda outra outra tentativa, a de alguém que se preocupou com ele e tentou reverter a situação”.