Jurista pede impeachment de Toffoli baseado em reportagem de revista

O cerco está se fechando contra alguns ministros do Supremo Tribunal Federal. Após vários pedidos de impeachment de Gilmar Mendes, inclusive com mobilização de empresários, agora chegou a vez de Dias Toffoli, o presidente do STF.   

O jurista Modesto Carvalhosa vai apresentar ao Senado um novo pedido de impeachment do ministro Dias Toffoli, com base na reportagem da Crusoé

Para o jurista, o atual presidente do STF “não tem condições de se manter no cargo diante dessas informações gravíssimas”.

Em documento a que a revista teve acesso, Marcelo Odebrecht revelou à Lava Jato que o codinome usado para se referir a Toffoli na empreiteira era “o amigo do amigo de meu pai”.
No documento que teria sido enviado pelo delator Marcelo Odebrecht e se juntado a um dos processos da Lava Jato.

“Amigo do amigo do meu pai”, conforme consta nas planilhas de propina da empreiteira se refere a José Antonio Dias Toffoli, atual presidente do Supremo Tribunal Federal. A reportagem da revista detalha a descoberta e gera uma grande interrogação.

Diz a matéria:

“A menção a Dias Toffoli despertou, obviamente, a atenção dos investigadores de Curitiba. Uma cópia do material foi remetida à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para que ela avalie se é o caso ou não de abrir uma frente de investigação contra o ministro – por integrar a Suprema Corte, ele tem foro privilegiado e só pode ser investigado pela PGR.”

E continua:

“Se havia a certeza de que o ‘amigo de meu pai’ era Lula, ainda era um enigma quem seria o tal ‘amigo do amigo de meu pai’. Sabia-se que, provavelmente, era alguém próximo a Lula. Mas faltavam elementos para cravar o ‘dono’ do codinome e, assim, tentar avançar na apuração. A alternativa que restava era, evidentemente, perguntar ao próprio Marcelo Odebrecht. E assim foi feito.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *