Institutos de pesquisa estão acabando, diz marqueteiro

Alvos de desconfiança, institutos apresentaram resultados muito diferentes dos contabilizados nas urnas em vários Estados e para presidente.

O publicitário Fernando Barros, da Propeg, disse que não foi o marketing político que morreu na eleição deste ano, mas sim os institutos de pesquisa, relatou à Época.

“Com déficit tecnológico, não conseguiram acionar os alarmes a tempo do tsunami (Bolsonaro). Em menos de uma semana as previsões derreteram”.

Erros

Os principais discordâncias do Ibope e Datafolha apareceram no Rio de Janeiro, Distrito Federal, em Minas Gerais e São Paulo. Além do apontamento para presidente. Confira:

No Rio de Janeiro, a fragilidade das pesquisas ficou gritante. O líder para o governo fluminense no primeiro turno, Wilson Witzel (PSC), com 41,3% dos votos, tinha segundo o Ibope 12% dos votos válidos e com 11% no DataFolha. Enquanto isso, Eduardo Paes (DEM) que era o líder das pesquisas com 32%, acabou com apenas 19,56%.

Na pesquisa divulgada no sábado (6), o Ibope trazia 42% das intenções de votos válidos para o governo de Minas Gerais em Anastasia (PSDB), contra 25% de Fernando Pimentel (PT) e 23% de Romeu Zema (Novo). De acordo com o Datafolha: Anastasia teria 40% dos votos válidos, contra 29% de Pimentel e 24% de Zema.

Porém, no final da apuração eleitoral desse domingo, Zema foi para o segundo turno com o candidato mais votado com 42,7% e terá Anastasia como adversário, o tucano conquistou 29% do eleitorado.

Em São Paulo, a surpresa ficou por conta de Márcio França (PSB) no segundo turno. As pesquisas de intenção de voto sempre trouxeram Paulo Skaf (MDB) entre os dois primeiros colocados, mas o candidato acabou fora da disputa. França tinha 18% dos votos, mas obteve 21,5%. Doria (PSDB) obteve os 31,8% apontados pelos institutos, enquanto Skaf conseguiu apenas 21% dos 30% que poderia ter de acordo com as pesquisas.

Já no Distrito Federal, a surpresa foi Eliana Pedrosa (PROS) que tinha 14% dos votos das intenções e terminou o pleito com 6,99%. Com isso, ela deixa a disputa para Rodrigo Rollemberg (PSB), que obteve 13,9% dos votos e Ibaneis Rocha (MDB) que teve 42% dos votos, como apontavam os institutos.

Ainda no sábado (6), Ibope e Datafolha trouxeram as pesquisas para presidente. No Ibope, Bolsonaro tinha 36% dos votos e Haddad aparecia com 22%. Já o Datafolha trazia o deputado federal com 40% e o petista com 25% das intenções. Mas o que se viu na apuração das urnas foi Bolsonaro com 46,03% e Haddad com 29,28% dos votos. Alckmin do PSDB que aparecia nas pesquisas com 8%, teve apenas 4,76% dos votos..

Os Institutos, precavidos, temem cometer mais erros no 2ª turno. A primeira pesquisa deve ser publicada somente nesta segunda-feira, 15, pelo Ibope.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *