Cinquenta e oito pessoas morrem após atirador abrir fogo em Las Vegas

Subiu para 58 o número de mortes confirmadas após um atirador abrir fogo contra o público de um festival de música country no cassino Mandalay Bay em Las Vegas (EUA) na madrugada desta segunda-feira (2). Mais de 500 pessoas ficaram feridas.

O atirador abriu fogo a partir do 32º andar do Mandalay Bay antes de ser morto pela polícia. Ele foi identificado como Stephen Paddock, um homem de 64 anos que morava em Las Vegas. Em seu quarto foram encontradas várias armas, segundo o chefe de polícia do condado de Clark, Joseph Lombardo.

É o maior tiroteio em massa da história dos Estados Unidos em número de mortos, ultrapassando as 49 vítimas mortas no atentado a uma boate de Orlando no ano passado.

“Nós não temos nenhuma ideia de qual era o sistema de crenças dele”, disse Lombardo. “Agora, nós acreditamos que ele era o único agressor e que a cena está estável”.

Aproiximadamente 40 mil pessoas assistiam ao festival de música country, chamado Route 91 Harvest Festival. No momento dos tiros, o cantor Jason Aldean se apresentava; mais tarde, ele informou que ninguém de sua equipe saiu ferido.

Marilou Danley, identificada como companheira do autor e inicialmente apontada como suspeita, foi inocentada pela polícia de Las Vegas por estar viajando para o exterior.

Na manhã desta segunda, o presidente Donald Trump postou no Twitter sobre o ataque. “Minhas condolências e compaixão às vítimas e familiares desse tiroteio horrível em Las Vegas. Deus os abençoe!”, publicou Trump.

A princípio, a imprensa local tinham interceptado as comunicações policiais por rádio que falavam da possibilidade de que os agressores fossem dois e que estavam armados com fuzis.