Repórter é agredida por torcedor no GRE-NAL

Durante o clássico GRE-NAL, no último domingo (11), em Porto Alegre, a repórter Renata Medeiros, do Grupo RBS, foi agredida por um torcedor colorado. A repórter registrou um Boletim de Ocorrência, e manifestou-se nas redes sociais, onde mais de 8 mil pessoas visualizaram o desabafo da jovem.

Renata cobria o clássico gaúcho quando um torcedor proferiu: “sai daqui, p…”. Surpresa, Renata fez questão de pegar o celular e registrar a situação, ao filmar o agressor, e pediu para que ele repetisse o que havia dito.

Descontrolado, o indivíduo partiu para cima de Renata e tentou acertar-lhe um soco que, apesar de não ter acertado em cheio, deixou um grande hematoma em seu braço, além de derrubar o seu celular. Um dos seguranças interferiu e evitou que a agressão continuasse.

A Justiça ainda não tem a identificação do torcedor do Internacional que agrediu a jornalista Renata de Medeiros, do Grupo RBS, antes do clássico com o Grêmio do último domingo (11). O ato ocorreu pouco antes da bola rolar e foi registrado por ela em vídeo. Logo após a partida, o Inter divulgou nota informando que o agressor havia sido encaminhado ao Juizado Especial Criminal (Jecrim) do Beira-Rio. No entanto, o responsável pelo local, Marco Aurélio Xavier, disse à reportagem que isso não aconteceu.

O time colorado retificou a informação dizendo que todos os registros de imagem do torcedor no estádio estão sendo analisados e, de fato, ele não foi encaminhado diretamente ao Jecrim. Na realidade, o torcedor foi retirado do estádio pelos seguranças do jogo, mas o local de destino é incerto.

O comando de segurança do Internacional uniu imagens de toda movimentação do torcedor durante o clássico. Está atrás da identificação do agressor, que se dá através da entrada na catraca, onde fica registrada a carteirinha que foi utilizada. Se sócio, o clube promete as ações cabíveis contra ele, como suspensão do quadro ou exclusão. Se ele não for sócio, a Justiça se encarrega da pena, que pode ir desde afastamento de estádios até indenização.

Ainda no domingo foi registrado Boletim de Ocorrência na Delegacia do Torcedor contra o agressor. Renata preferiu não se manifestar logo de cara e ganhou apoio da RBS. À reportagem, a empresa disse estar dando todo suporte necessário para sua funcionária. A informação de que havia orientado ela a não se manifestar foi rechaçada pela empresa, que disse que a opção pelo silêncio partiu da jornalista.

Outro caso que chamou atenção na partida foi de torcedores colorados fazendo gestos obscenos para mulheres gremistas em um dos camarotes. O caso também é tratado como prioridade no Inter, que pretende identificar e punir os protagonistas com o mesmo procedimento de avaliação de imagem e registro feito através da entrada no estádio.

Nota Oficial do Internacional

“O Sport Club Internacional lamenta e repudia o ato discriminatório sofrido pela repórter Renata de Medeiros, da Rádio Gaúcha, durante o Gre-Nal deste domingo |(11/3), no Beira-Rio. O torcedor, que proferiu palavras ofensivas e agrediu a profissional foi imediatamente retirado do estádio pelos seguranças do Clube e conduzido ao Juizado Especial Criminal (JECRIM). Foi uma situação lamentável e totalmente contrária aos princípios do Clube. Portanto, sempre que ocorrerem fatos deste tipo no estádio, o Internacional pede que a vítima denuncie o agressor para que as medidas cabíveis possam ser tomadas”, informou o clube.

Deixe uma resposta