“PT abandonou o Incra”

MANAUS – deputado estadual Augusto Ferraz (DEM) usou a tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) na manhã desta quarta-feira (13), para lamentar abandono do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) pelo Governo Federal durante o Governo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Para o deputado o governo do PT representou avanços em várias áreas, mas deixou a desejar na administração do Incra. “O PT foi muito bom em muitas áreas, mas não tinha o direito de abandonar com a grande autarquia do agronegócio. Nove patrulhas que o Governo Federal enviou para o Amazonas e o PT acabou com as patrulhas mecanizadas, sem nenhum tipo de infraestrutura. Há doze anos o Instituto não recebia um centavo para manutenção de ramais e estradas para elevar a economia ”, afirmou, referindo-se ao Incra.

Em aparte o deputado estadual Sidney Leite (PROS) reforçou o discurso do parlamentar, lembrando o fracasso do Programa Terra Legal no Amazonas. “Nós tivemos um programa muito bom, mas que não aqui no Amazonas, onde não saiu do papel: o Terra Legal, que trata da regularização fundiária. Nós não víamos os títulos chegarem às mãos dos produtores, quanto às estradas, os pais não conseguem levar seus filhos à escola, as ambulâncias não entram nas comunidades, porque é inacessível”, afirmou.

Já o deputado estadual Orlando Cidade (Podemos) citou a demora da implantação do Programa Luz para Todos nos assentamentos. “Trocar a poronga pela energia elétrica é o sonho de todo homem do campo, mas o Luz para Todos ainda não chegou na casa de todos os moradores da calha do Rio Negro, por exemplo. Tem de chegar a todos os moradores do interior do Amazonas ”, afirmou, sugerindo a energia solar como alternativa barata de energia elétrica para o interior.

O deputado estadual José Ricardo (PT) rebateu as críticas de Ferraz, argumentando que o Governo Federal não é o único responsável pelos assentamentos. “A responsabilidade pelos assentamentos é dos três poderes, mas como envolve disponibilização de recursos, um fica jogando para o outro. Mas no Governo Lula-Dilma foi quando se disponibilizou mais equipamentos agrícolas, no entanto os prefeitos não queriam receber os equipamentos porque não queriam arcar com os custos de manutenção das máquinas”, justificou.