Zona Franca de Manaus perto do fim

De forma patética, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), no meio da semana passada, disse ser “lamentável” a má vontade do Governo Federal em relação à Zona Franca de Manaus. No Congresso Nacional, dois decretos legislativos, que poderiam anular o malfadado decreto do presidente Michel Temer que liquidam o polo de concentrados de refrigerantes da ZFM, simplesmente emperraram.

A votação dos decretos, de autoria de Vanessa e Eduardo Braga (MDB), é boicotada por grupos de parlamentares de peso no Congresso que odeiam os incentivos fiscais da ZFM por terem provocado o fechamento de 60 empresas de concentrados em São Paulo. Eles são fortes e bem mais numerosos que a bancada de onze gatos pingados do Amazonas.

Por outro lado, Grazziotin culpa ferozmente Temer, mas se esquece de que o desgoverno de Dilma Rousseff (PT), em 2015, também atentou contra o polo de concentrados da ZFM e só não consumou seu intento por causa da heróica intervenção do PP de Rebecca Garcia, que evitou o pior.

O certo é que o modelo ZFM agoniza e, se o decreto de Temer não for anulado, 15 mil postos de trabalho serão extintos em Manaus, aumentando o desemprego e os problemas sociais de uma cidade completamente abandonada pelo Poder Federal.

Lambança de Omar

Antes, o senador Omar Aziz, mandachuva do PSD no Amazonas, gabava-se de sua amizade com Michel Temer. A amizade, ao que tudo indica, não passava de “lambança” já que o Palácio do Planalto não dá a mínima para as lamúrias da bancada federal do Estado na atual crise que ameaça de morte a ZFM.

Mais ameaça

A Câmara dos Deputados discute a necessidade de ajustes na Lei de Informática enquanto o Brasil aguarda o resultado do recurso apresentado contra a decisão da OMC, que exige mudanças nos incentivos fiscais. E em meio a defesa que as empresas fizeram da importância da legislação, o governo sinalizou um razoável otimismo sobre o resultado final ao tratar do tema em audiência da Comissão de Ciência e Tecnologia na quinta-feira (5/7).

A ZFM vive expectativa com relação ao assunto, pois a OMC há muito detesta o modelo, pregando a alteração das regras brasileiras que regulamentam o funcionamento da ZFM.

Braga em baixa

Assessores do governador Amazonino Mendes (PDT) o convenceram de que o senador Eduardo Braga anda com a imagem bastante desgastada perante o eleitorado da capital e do interior e que, portanto, não soma nada para o chefe executivo estadual, preocupado com sua reeleição.

Por isso, o Negão está cada vez mais distante do senador emedebista.

Oposição tensa

Nos bastidores da oposição, os comentários são de preocupação com a aproximação entre o governador Amazonino Mendes (PDT) e o prefeito Arthur Neto (PSDB).

Por ora, a parceria é administrativa, mas pode virar aliança política, o que significaria o peso de duas poderosas máquinas contra uma oposição que pode se dividir até as convenções previstas para este mês de julho.

Massarico Prefeito

O presidente da Câmara de Novo Airão, vereador Rosivaldo Souza dos Santos, o Professor Massarico (Rede), assumiu interinamente o cargo de prefeito do município no lugar de Wilton Santos (PSDB) e seu vice Antônio Tiburtino, cassados em maio pelo TRE-AM.

UNIMED na berlinda

No dia 10 de julho, acontecerá na Assembleia Legislativa, uma audiência pública com o presidente da Cooperativa de Saúde Unimed – Manaus para esclarecimentos sobre o possível encerramento dos servidos de saúde da empresa no Amazonas.

A Aleam possui mais de 100 servidores, inclusive deputados, clientes da cooperativa, com medo de levar cano da Unimed complicada com uma dívida suspeita em torno de R$ 500 milhões.

Alessanda e os “Paquitos”

A deputada estadual Alessandra Campêlo (MDB) classificou de “paquitos” policiais militares que a defenestram nas redes sociais, principalmente no WhatsApp.

Os “paquitos” não a perdoam por ter votado a favor do veto governamental que derrubou a antecipação da última parcela do pagamento do reajuste salarial concedido a policiais militares e bombeiros.

Da tribuna, Alessandra explicou que “paquitos” são policiais privilegiados lotados em gabinetes de deputados na Assembleia Legislativa..