Jardins substituem lixeiras

Nos últimos três meses, dez novos jardins foram implantados pela Prefeitura de Manaus em locais que antes vinham sendo usados como lixeiras viciadas. O trabalho, realizado pela Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) mobiliza equipes de jardinagem, capinação, conscientização e remoção mecanizada.

Locais que até pouco tempo serviam para amontoar lixos e entulhos e atrair pragas, aos poucos estão se tornando áreas agradáveis de uso comum para a população. “Viabilizar um jardim em pontos de acúmulo irregular de lixo vem ajudando a mudar um pouco a realidade de muitos bairros. Não apenas ajuda a inibir a formação de lixeiras viciadas, como agrada a população que passa a cuidar desses espaços”, explicou o Secretário Municipal de Limpeza Urbana, Paulo Farias.

Ele explica, ainda, que as ações de combate a lixeiras viciadas são uma determinação do Prefeito Arthur Neto, que pretende reduzir os índices de reincidência. “Sabemos que muitos pontos, mesmo com a limpeza, voltam a ser utilizados como lixeiras viciadas. Nosso desafio é criar soluções para que os pontos se mantenham limpos. E, nesse caso, os jardins têm ajudado”, avaliou.

Os novos jardins podem ser vistos por todos os bairros. Locais como Morro da Liberdade (Zona Sul), Vila da Prata (Zona Oeste), Educandos (Zona Sul), Praça 14 (Zona Sul), Ephigênio Salles (Zona Centro-Sul), Petrópolis (Zona Sul), Distrito Industrial (Zona Sul), Zumbi (Zona Leste), Jorge Teixeira (Zona Leste) e Centro (Zona Sul) foram os últimos a serem trabalhados pela Semulsp.

“Cerca de 10 espécies diferentes de plantas estão sendo viabilizadas nos novos jardins que substituirão as lixeiras viciada. Também trabalhamos junto à população com as equipes de conscientização. A ideia é motivar as pessoas a cuidar desses locais. E tem dado muito certo”, comemora Paulo Farias.

Ivan Laurido, morador da rua Antônio Lacerda, no Morro da Liberdade, é vizinho de um desses jardins e elogia a estratégia da Prefeitura. “Muito bom essa para ganhar um jardim. Valoriza nosso bairro. Desde que esse jardim foi implantado, os moradores pararam de jogar lixo no local, mas é preciso mais fiscalização, porque eles passam a jogar em outra área próxima”, contou o morador da.

Para Vanderlei Florêncio, outro morador do Morro, os jardins agradam o cidadão e sensibiliza para a questão do lixo. “Quando os vizinhos olham o bonito jardim que a Prefeitura botou lá no lugar do lixo, eles se conscientizam a não voltar a acumular lixo. É simples, todos preferem o jardim ao lixo. É uma boa iniciativa”, avaliou.

Joaquim Parente, morador da avenida Ephigênio Salles há cerca de 60 anos, considera o jardim um equipamento conciliador junto aos moradores. “Moro aqui há muito tempo e sempre vemos esse ponto acumular lixo. A Prefeitura sempre passa e recolhe, mas a sujeira voltava a se acumular. Ganhar um jardim no lugar do lixo é formidável. Devemos cuidar dele agora”, disse.

Nesta segunda-feira, 04/9, mais um jardim está em fase final de implantação na Rua Afonso Pena com a Avenida Japurá (Praça 14, Zona Sul).

Balanço

Desde o início do ano, mais quase 60 lixeiras viciadas passaram por limpeza e foram revitalizadas. Mais de 30 bairros receberam equipes da Semulsp para as ações de combate às lixeiras viciadas da Prefeitura municipal, até agora.

Entre as espécies utilizadas pela Semulsp para esse serviço estão agave, pau-pretinho, croton taperebá, espada de são jorge, dracena, bananeira, cróton police, jasmim do Caribe, grama esmeralda, entre outras, que saem direto do viveiro da Semulsp.

Deixe uma resposta